RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador carnaval. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador carnaval. Mostrar todas as postagens

2/07/2019

Campanha SUBEM: Me beija, Me adota! - Rio de Janeiro


Venha participar do Pré-carnaval dos nossos peludinhos, que ocorrerá no próximo dia 17/02/19, de 08:00 as 13:00h, no Centro de Proteção Animal / Fazenda Modelo! 

O evento “Me beija, Me adota” organizado pela SUBEM, visa fazer muitos corações se apaixonarem neste carnaval. 

1/24/2019

Prefeitura de Araçariguama cancela carnaval e usa verba para reformar canil municipal

Queria conhecer este prefeito, sabia?
----------
Objetivo é voltar com as atividades e abrigar animais abandonados para serem cuidados e levados para adoção.

A Prefeitura de Araçariguama (SP) anunciou o início da reforma do antigo canil municipal utilizando recursos que

2/14/2018

Criticada por passista, Luisa Mell afirma defender animais da 'vaidade humana'

Ué, ela teria que ficar calada? eu hein..... ela já se posicionou outras vezes e porque seria processada desta vez?
-------------
Como ativista, Luisa Mell, 39, se posiciona contra o uso de penas de animais no Carnaval. Na noite deste sábado (10), a apresentadora questionou a fantasia da madrinha de bateria da Unidos de Vila Maria, Ana Beatriz Godói, feita com 3.800 penas de faisão. "Deixem os animais em paz", escreveu Mell em sua conta no Instagram. A passista se sentiu ofendida e relatou ter sofrido um linchamento virtual, dizendo que entrará com medidas legais contra a ativista.

À reportagem, Luisa disse que publicou sua opinião e quis fazer com que as pessoas pensassem a respeito. "Mesmo se couber [medida legal], eu não me intimido em defender um ser inocente da vaidade humana. Conheço esse mercado de perto. Essa é a minha realidade, sou uma ativista. Levo a vida dos animais muito a sério e tentei mostrar isso para o meu público", comentou.

Para ela, a festa também é o momento ideal para repensar alguns hábitos, já que se fala constantemente de sustentabilidade e reciclagem. "É justo a sociedade massacrar os animais sendo que a gente tem materiais alternativos?", comentou. Mell explica que o processo de retirada das penas acontece com o animal ainda vivo, amarrado pelo pescoço e patas.

"Este procedimento causa muito sofrimento, muita dor e deixa as aves expostas ao sol e a infecções graves. Nessa luta, muitas acabam com fraturas. É uma coisa extremamente cruel e desnecessária", comentou. Ela ressalta que, para ter uma fantasia bonita, não é necessário maltratar muitos animais.

"Este ano a Sabrina Sato desfilou em São Paulo e no Rio sem nenhuma pena e mais linda do que nunca", disse. Fã da Águias de Ouro, Mell acrescenta que ficou extremamente feliz ao ver o desfile da escola neste domingo (12). "Desfilamos sem penas, sem plumas. A gente vem buscando um mundo melhor. Estamos num momento de sustentabilidade, e a gente fala muito sobre isso", comentou.

Ela relembra que as 3.800 penas utilizadas pela madrinha da bateria custaram cerca de três carros. "O valor deveria ser o contrário: quantos animais sofreram? Isso vale para você aparecer e estar ali? Existem outras maneiras de aparecer no Carnaval", disse, acrescentando que as penas artificiais, além de mais baratas, são tão bonitas quanto.

Para criticar a ativista, a madrinha da Unidos de Vila Maria compartilhou uma imagem em que Luisa aparece no seu primeiro desfile pela Vila Maria, em 2003, com uma fantasia de penas. "Há quase 20 anos atrás eu não sabia. Assim que eu soube comecei uma luta. Primeiro com as minhas fantasias e depois conscientizei uma escola inteira", se defendeu a ativista. Na época, Luisa conta que ainda não era vegetariana, mas ficou horrorizada com o processo. "Assim que chegou para mim a informação, eu já me recusei. No ano seguinte não desfilei com penas."

Fonte: Yahoo

2/10/2018

Bloco para animais de estimação reúne cães fantasiados em Copacabana

Já fui juíza em concurso de fantasia, depois achei um absurdo esta imposição aos animais. Hoje em dia, vendo tanta crueldade contra eles, até relevo porque há uma preocupação com horários, se os cães estão confortáveis, etc..... enfim, acho que foi criado um clima de respeito durante os eventos....
-----------
Folia aconteceu neste domingo, em mais uma festa pré-carnaval na cidade.

Foliões que não abrem mão de passar algum tempo com seus animais de estimação também tiveram vez no pré-carnaval do Rio. Neste domingo (4), o Blocao reuniu cachorros fantasiados e seus donos em Copacabana.

Roupinhas
Tem quem invista alto na brincadeira. É o caso da advogada Rosária Dunham, de 63 anos, que gastou R$ 1 mil com fantasias de super-heróis para seus seis cães chihuahuas, numa espécie de “Liga da Justiça canina”.

“Sou apaixonada por carnaval e não saio de casa no Natal, nem no Ano Novo. A única forma de curtir carnaval é junto com eles”, conta ela.

“Eu tenho muito cuidado na fantasia deles, na escolha. Ano passado eu levei a Chiara cheia de penas e foi horrível, estava muito quente. Ela ficou muito desesperada."

Veja abaixo as fotos da festa:













FONTE: G1

2/04/2018

Como seu glitter no carnaval chega aos peixes no Oceano

É usar e saber que está contribuindo para a matança de animais nos oceanos..... Precisamos ter mais consciência dos atos que praticamos, inclusive, quando nos fantasiamos no carnaval com penas de animais....
----------
Feitas de plástico, partículas de glitter vão parar no oceano, potencialmente afetando a cadeia alimentar aquática
O que o glitter que você passa no rosto no carnaval tem a ver com o oceano? Para alguns pesquisadores, tudo.

As pequenas partículas brilhantes que adornam o corpo dos foliões são feitas de plástico, material que não é biodegradável. Quando se lava o corpo ou rosto coberto de glitter, as peças escorrem pelo ralo. Pequenas demais para serem filtradas no sistema de tratamento de esgoto, acabam parando em rios e mares.

O plástico é o maior poluente do oceano. E o glitter é um "microplástico", como são chamadas as partículas desse material com menos de 5 milímetros. Nem todas têm o tamanho que o glitter tem originalmente: parte delas são grandes produtos de plástico que chegaram a esse tamanho depois de sua deterioração por forças mecânicas no oceano ou radiação solar.

O perigo das partículas de microplástico no oceano é que podem ser ingeridas pela fauna marinha.

"Pesquisas recentes dão conta de que microplásticos perturbam o início da cadeia de alimentação aquática, como os plânctons. Também afetam ostras e mexilhões", diz Trisia Farrelly, da Universidade de Massey, na Nova Zelândia, especialista em ecologia urbana.

"Os microplásticos ingeridos por esses organismos podem afetar seu crescimento e atrapalhar sua alimentação como um todo - e consequentemente impactar toda a cadeia de alimentação." Plânctons, por exemplo, são um alimento dos peixes, que, por sua vez, alimentam os humanos.

Trilhões de partículas

Não há estudos sobre o glitter nesse contexto, especificamente, porque não é fácil identificar a origem de um microplástico. Mas o material é contabilizado entre os microplásticos que poluem o oceano - são entre 15 e 51 trilhões de partículas, segundo um estudo de 2015 conduzido por pesquisadores do Imperial College London, de Londres, em parceria com especialistas da Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Holanda, e outros países.

Para Joel Baker, diretor do Centro de Águas Urbanas da Universidade de Washington, não se pode medir o impacto dos microplásticos no oceano. "Não sabemos se há um problema, mas não é um absurdo ser cuidadoso e não querer colocar coisas no meio ambiente que o degradem."

Parte dos microplásticos são os microbreads, ou grânulos, como os presentes em pastas de dentes e esfoliantes.

"É plástico feito para ter uma vida muito curta. Você limpa seu rosto ou seus dentes, enxágua e eles vão direto para o ralo", diz Farrelly. O uso de grânulos em produtos como esses foi proibido no Canadá, nos Estados Unidos e no Reino Unido. A Nova Zelândia deve implementar a proibição no primeiro semestre de 2018.

Embora não tenha sido proibido, o glitter também entrou no escrutínio público. Empresas no Brasil e no mundo começam a fabricar glitter biodegradável.

"Eu gosto de coisas brilhantes. Mas com 7 bilhões de pessoas no planeta, não podemos usar as coisas só da maneira como gostaríamos. Precisamos pensar no impacto que causamos", diz Sherri Mason, professora de química da Universidade do Estado de Nova York em Fredonia e especialista em poluição de plástico em ecossistemas aquáticos.

Ela observa que, embora seja uma iniciativa positiva, "glitter biodegradável não dará conta da demanda que temos". "Então eu insisto que temos que reduzir o uso de glitter."

Para ela, governos podem tarifar mais os produtos de plástico para embutir em seu preço o impacto no meio ambiente.

Farrelly, da Nova Zelândia, diz que "o glitter, em si, não é o problema". "O glitter é uma parte do problema. E se está chamando atenção para o problema maior, então ótimo."

Como o glitter é produzido?

O glitter de plástico como o conhecemos é produzido a partir de placas de PET ou PVC que são metalizadas com alumínio e, depois, tingidas com cores diferentes.

Depois desse processo, explica o americano Joe Coburn, um dos proprietários da fábrica de glitter RJA-Plastics GmbH, as placas de plásticos são revestidas novamente com uma camada transparente para tentar "segurar" sua cor e dar consistência ao alumínio.

Essas placas são então cortadas em pequenas partículas e passam por uma máquina que tem um cilindro com 60 dentes rotativos de corte e uma faca - uma espécie de combinação entre um triturador de galhos e um triturador de papel.

Hexágono e outras curiosidades

"Matematicamente, o formato das partículas que causa menos desperdício é o hexágono", diz Coburn. Por causa disso, este é justamente o formato em que a maior parte das partículas de glitter, segundo ele, são trituradas.

"E isso também faz com que as diferentes partículas de glitter nunca caiam no mesmo ângulo. Quando não estão uniformes, brilham mais, porque há mais chances de receberem luz em diferentes partes."

Ele também explica que há diferenças entre a durabilidade das cores: um vermelho intenso não se mantém dessa cor ao longo do tempo tão facilmente quanto o glitter verde claro. E o tamanho também varia: o menor tipo de glitter já produzido pela empresa tem 0.02 mm.

A fabricante empacota o glitter em grandes sacos e exporta o produto em caixas de 25kg, tomando o cuidado de não misturar as cores.

"Uma fábrica de glitter não é um país encantado. É para ser um ambiente bem estéril", diz - o que não significa que não aconteçam vazamentos.

Por causa da forma como precisam operar a máquina, com testes antes que seja ligada, funcionários ficam com o corpo repleto das partículas.

"É uma infestação. Fica nos seus ouvidos, nariz, embaixo das unhas, no volante do carro. O volante do nosso carro tem uma camada permanente de glitter", conta Coburn. "A única solução possível para tirar todo esse glitter é ar comprimido."

Coburn conta que, uma vez, por causa da umidade, uma caixa de 25kg cedeu, espalhando glitter por todas as partes.

Coburn e seu irmão herdaram a fábrica de seu pai, morto em 2011. Seu avô tinha uma fábrica de adesivos nos Estados Unidos - "a família sempre trabalhou com coisas brilhantes" - e duas máquinas de glitter foram encontradas por ele e seu filho.

"Meu avô pediu que meu pai as vendesse, mas meu pai descobriu como funcionava e começou a produzir e vender", diz Coburn. Na época, "era uma tecnologia secreta".

Em 2018, segundo ele, a empresa começará a produzir glitter biodegradável.

FONTE: G1

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪