RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador artigo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador artigo. Mostrar todas as postagens

6/24/2019

ARTIGO MUITO BOM: Meio Ambiente não é coisa de esquerda ou direita

Gostei muito do artigo escrito pelo Prof. Fernando Dias de Ávila-Pires. Vale a pena a leitura, principalmente, para aqueles ignorantes que só sabem opinar com seus "achimos" baratos....
-------------------
A legislação sobre conservação ambiental no Brasil teve início com a preocupação de Portugal com a proteção aos recursos naturais da então Colônia. Madeiras de lei, destinadas à construção de navios, ouro e pedras preciosas foram objeto de

4/08/2019

O sacrifício de animais e o pecado original no Supremo Tribunal Federal

EXCELENTE!!!!!
--------------
A Constituição Federal é a carta magna de um país democrático. O desrespeito a ela sinaliza pecado capital ao sistema de “checks and balances” e diagnostica a doença letal disseminada naquilo que temos de mais precioso: a garantia de o Poder Judiciário julgar de acordo com os direitos fundamentais.

4/05/2019

Não devemos continuar como animais marcados para abate

Achei interessante este artigo falando sobre o caso da vaca holandesa....
-----------------
Recentemente, assistir uma reportagem que abordava a história de uma vaca na Holanda, que se jogou do caminhão que a levava, junto com outras, ao matadouro e passou um mês fugindo pelos bosques, até ser adquirida por ambientalistas que a salvaram do abate.

Formidável a rede de solidariedade que

3/18/2019

Sobre os direitos dos animais e a hipocrisia humana

Vale a pena a leitura.....
---------------
Por Gabriel Bayarri e Michael Dello-Iacovo
Incomodada pela crescente popularidade da solidariedade entre espécies, parte da extrema-direita diz aderir à causa. Mas é possível fazê-lo defendendo os rodeios, a caça, os safáris e a devastação das florestas?

Ao falar em animais de estimação, vocês

3/05/2019

O agressor de um animal não é apenas um covarde. É também um potencial criminoso

Por: Rafael Theodor Teodoro
-------------
Sempre considerei os maus tratos aos animais uma das piores atrocidades que o ser humano pode cometer. Tanto que a morte da cadela Baleia, narrada num dos capítulos do clássico “Vidas Secas”, foi para mim uma experiência terrificante — ainda mais quando descrita pela pena de um gênio como Graciliano Ramos.

2/17/2019

Será que meu filho vai virar vegetariano?

Achei legal. Foi escrito por Marcos Nogueira, colunista da Folha de SP.
--------------
Meu filho Pedro tem 6 anos e, até pouco tempo, era uma draga à mesa. Comia o que lhe aparecesse: rã, mexilhão, sardinha, javali, carneiro, coração de frango, caranguejo.

De uns meses para cá, o moleque tem

2/05/2019

VAQUEJADAS: o efeito backlash

Desculpe se pode parecer arrogância da minha parte, mas, acho que quem se propõe a defender os animais tem que se preparar para tal ao invés de sair por aí fazendo marketing individual ou agindo de acordo com seu ignorante "ACHISMO" pessoal. Sugiro que leiam com atenção este artigo da Dra. Vanice Orlandi, Pres. da UIPA e vejam o retrocesso da nossa luta nesta área.
---------------

10/03/2018

Gato: animal mais que perfeito

Achei o artigo tão interessante...
-----------
O nome do animal elétrico com o qual convivo é Grafite, o siamês com pés na nobre linhagem dos vira-latas
Em dia de tempestade, ele parece sentir um curto-circuito. Na velocidade dos raios, pula e se esconde embaixo da cama. Depois, num mergulho digno de um golfinho, o animal de quatro patas volta à superfície, arriscando um salto que

7/18/2018

E se os humanos desaparecessem da Terra?

Achei super interessante este artigo, principalmente por causa do final..... Juro que eu queria que nossa espécie fosse extinta antes do planeta virar um Mad Max"
-------------
Luzes desligadas, túneis alagados, edifícios destruídos e satélites a cair. Eis algumas das consequências, ao longo do tempo, do desaparecimento dos seres

4/03/2018

IMPERDÍVEL : Melhor do que viver é nem sequer nascer

Conferindo.... e pra mim? excelente para reflexão....
-----------
A vida é mais má do que boa, e depois morremos. Daí que o melhor seja não chegarmos a existir. É o que defende David Benatar, guru do antinatalismo e, talvez, o filósofo mais pessimista do mundo. E a extinção, diz à VISÃO, deveria alastrar-se a todos os animais sencientes

A felicidade é efémera. A tristeza pode não ser. O sofrimento é o que de mais certo temos na existência – isso e a morte, que é a fonte final e mais extrema de sofrimento. Mas poucos de nós perdem tempo a pensar nos prós e contras de viver. Afinal, a vida ultrapassa a crueza contabilística do deve e haver.

E daí talvez não. Os antinatalistas advogam que, feitas as contas, a vida não vale a pena ser vivida. David Benatar, diretor do departamento de Filosofia da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, escreveu dois polémicos livros a concluir precisamente isso – Better Never to Have Been: The Harm of Coming Into Existence e Debating Procreation: Is It Wrong to Reproduce? (em tradução livre: Melhor Nunca Ter Sido: o Mal de Existir e Debatendo a Procriação: A Reprodução É Um Erro?). Obras que se tornaram as bíblias do antinatalismo.

“No decorrer de uma vida inteira, o saldo de viver é negativo. Só o facto de morrermos é uma coisa má na vida. Quando entramos na existência, estamos condenados à morte. Se não chegarmos a existir, não enfrentamos esse destino, tal como nenhum outro”, diz Benatar, em entrevista por Skype (sem imagem, uma vez que o filósofo recusa-se a dar a cara, razão pela qual também pede para que não sejam 
publicadas fotos suas).

David Benatar usa um diagrama para justificar o antinatalismo: num ser que existe, há dor, o que é mau, e há prazer, o que é bom; na não existência, não há dor, o que é bom, e não há prazer, o que não é mau. E assim, efetivamente, a decisão pende a favor da não existência. “Quando falo de dor e prazer, estou a referir-me a exemplos de coisas boas e más na vida. O que a simetria mostra é que, independentemente do rácio de coisas boas e más, haverá sempre uma desvantagem líquida para a existência. Por exemplo, dor crónica: não há prazer crónico. 
Ou se pensarmos quão depressa podemos perder o conhecimento adquirido devido a um golpe na cabeça ou um AVC, e o compararmos com o tempo que demoramos a adquirir esse conhecimento. As piores dores da vida são muito mais intensas do que os melhores prazeres.”

Ser-se antinatalista não significa adotar o suicídio como opção. “Há um tempo e um lugar para o suicídio, mas não é uma recomendação que eu faça. É melhor não chegarmos a existir, mas isso não significa que, a partir do momento em que existimos, é melhor deixarmos de existir. O antinatalismo não é pró-morte”, salienta Benatar. 
E não é, continua, porque a morte é uma causa de dor, não só para quem morre mas também para quem sente a perda de um ente querido. “Essa é uma das razões por que não devemos precipitar-nos. Quando alguém está num ponto extremo, quando a dor é insuportável, o suicídio justifica-se, ainda que a sua morte signifique coisas más para outros. Mas isso não se aplica em circunstâncias comuns.”

HOMEM, CÃO, GATO, ETC.
Não há aqui, neste antinatalismo, uma preocupação ambiental, como a que está por trás do Movimento Voluntário de Extinção Humana, um grupo ecologista fundado nos EUA, em 1991, que defende a extinção do Homem para salvar o planeta. David Benatar tem uma premissa puramente humanitária, sem motivações externas (o planeta é equação que não entra nas suas contas), no sentido de impedir o sofrimento de cada um. De certa forma, o seu entendimento é o oposto do que faz mexer esse grupo ecologista – idealmente, todos os seres com capacidade para sentir, incluindo os animais, cessariam de se reproduzir e extinguir-se-iam, evitando o sofrimento de gerações futuras.

“Os meus argumentos adequam-se a toda a vida senciente. Devemos esterilizar alguns animais, como os animais de companhia: cães, gatos. É mais complicado quando falamos de animais selvagens, porque há custos em intervir. Imaginemos que os esterilizamos pondo contracetivos na água que leões e tigres bebem; se não tiver efeito nas suas presas, poderemos ter muitos animais que, em vez de morrerem às garras dos predadores, morreriam à fome, porque devido ao seu número acabariam com a comida. Às vezes, quando os humanos intervêm, tornam as coisas piores do que estavam. Portanto, ainda que, por princípio, defenda que não deva haver mais seres sencientes, não quer dizer que devemos ir ao terreno eliminar a vida selvagem, porque o mais certo é sermos malsucedidos e ficar tudo pior.”

Sendo utópico (na perspetiva de 
Benatar, entenda-se) pensar que a vida senciente desaparece amanhã, o filósofo sugere alguns caminhos para minimizar o sofrimento – nomeadamente o sofrimento associado à indústria da carne. “Defendo o veganismo. Na verdade, muitos antinatalistas são veganos. Nem sempre, mas há uma perfeita correlação. Se estivermos motivados para reduzir o sofrimento, tanto o antinatalismo como o veganismo fazem parte desse caminho.” Claro que essa redução do sofrimento implica uma redução do prazer – o prazer de comer carne –, mas este será mais um caso em que a dor do animal sacrificado é inegavelmente mais intensa do que a satisfação proporcionada por um bife, por mais suculento que seja.

O EGOÍSMO DE TER UM FILHO
A revista New Yorker descreve David Benatar como o filósofo mais pessimista do mundo. O professor sul-africano não concorda nem deixa de concordar – é indiferente ao epíteto enquanto medida absoluta para descrever alguém. “Sou pessimista sobre alguns temas, não sobre outros. O pessimismo não é uma perspetiva má ou boa. É apenas a forma como refletimos as perspetivas da realidade. Não estou pessimista sobre as minhas possibilidades de sobreviver até amanhã. É provavelmente verdade que amanhã de manhã acordo. Mas, se me perguntar sobre as minhas hipóteses de viver até aos 120, estou pessimista sobre isso, porque não é provável. Sou pessimista onde julgo que o pessimismo é justificável.”

O realismo esclarecido de Benatar estende-se às limitações do ser humano para minimizar o seu próprio sofrimento: o filósofo reconhece avanços (“Há 200 anos, éramos operados sem anestesia…”), mas não crê que algum dia será possível controlar a dor ao ponto de valer a pena nascer. “O desprazer é uma parte integrante da vida senciente. Nunca atingiremos o ponto em que toda a dor é negligenciável. Até porque, além da dor física, há a dor psicológica.”

Entre os grandes prazeres, poucos haverá que ombreiem com o momento em que nasce um filho. E essa é a razão, assegura, por que a reprodução é eminentemente um ato egoísta, de busca de felicidade sem considerar a felicidade alheia. “As pessoas não estão conscientemente a ser egoístas. Mas ao decidirem ser pais não estão a fazer favores ao seu filho. De uma forma geral, é errado criar novos seres, porque não estão a ser levados em conta os interesses desse ser.”

E o interesse desse ser é não nascer. Pode haver, no entanto, exceções a esse egoísmo. “Pais que já têm um filho, e não querem que essa criança seja filho único. Querem um irmão que lhe faça companhia. Nesse caso, estão a ser parcialmente motivados por altruísmo a favor da criança que já existe, para que ela tenha um companheiro. Por isso não digo que nunca haja um elemento altruísta na procriação.”

“AOS MEUS PAIS, APESAR DE…”
Imaginemos que a visão de David Benatar se torna dogma e é posta em prática: a humanidade decide a sua extinção, através de uma esterilização em massa (indolor, de preferência). É garantido que a geração final, ao chegar à velhice, teria um fim miserável, sem qualquer apoio de uma classe mais jovem que a sustentasse. “Reconheço que sofreria determinados fins que não sofreria em condições normais”, admite. “Não haveria agricultores jovens a produzir comida para os idosos, não haveria polícia a manter a ordem, não haveria cangalheiros a enterrar os mortos.”

Mas esse não é fundamento suficiente para abandonar o sonho de terminar com a vida. “Mais tarde ou mais cedo, a humanidade vai acabar. E haverá uma última geração que sofrerá um fim terrível, de uma forma ou de outra. O que nós temos hoje, a reprodução para evitar este destino, é aquilo a que chamo procriação em esquema de pirâmide. Cada geração está a produzir crianças para que a sua geração não seja a última. Mas tudo o que se faz é passar o problema para a geração seguinte, e daí para a outra. Em algum ponto, a pirâmide vai desmoronar-se.”

O filósofo sul-africano parece ter pensado em tudo. Até nas implicações religiosas de se ser, na essência, antivida. 
“É possível ser-se um antinatalista religioso. Já conheci gente que o é. Há várias formas de conciliar as duas coisas. Os shakers, por exemplo, são uma seita cristã que não acredita na reprodução [fazem um voto de celibato]. Claro que, por causa disso, são uma seita minúscula, porque vão morrendo e a única forma de se regenerarem é através dos convertidos.”

Há até um elemento central de muitos pensamentos religiosos perfeitamente compatível com o antinatalismo: a predestinação. “Se acreditarmos que Deus já decidiu o destino de cada alma, e se acreditarmos que o destino dessa alma será um mau destino, quando mais não seja devido ao pecado original, temos um excelente motivo para não querer que essa pessoa nasça. Dito isto, os meus argumentos não se apoiam no facto de coincidirem ou não com os pontos de vista religiosos. São indiferentes a essa perspetiva.”

Poder-se-ia dizer que Benatar é o único ateu que concorda com os crentes quando estes dizem que, quando alguém morre, “vai para um lugar melhor”. Mas não. “Sim, a pessoa que morreu foi aliviada do sofrimento. Mas a morte é má. Não por sentirmos algo após a morte, mas sim no sentido de que a pessoa que existiu antes da morte sofreu um mau destino. Que foi privada de uma coisa.” Ainda que essa coisa – a vida – seja mais má do que boa.

David Benatar admite que não acredita em Deus, mas essa é a única pergunta pessoal a que responde. O filósofo não quer que a sua vida privada se intrometa na argumentação. Considera-a irrelevante. Pretende que o discurso valha por si, sem contaminações. Percebe-se que é vegano, e portanto, até certo ponto, pratica o que prega. Mas fica por se saber se tem filhos. A única referência pessoal que se lhe conhece é a dedicatória do livro Melhor Nunca Ter Sido: o Mal de Existir: “Aos meus pais, apesar de me terem trazido ao mundo.

FONTE: visao

12/11/2017

Ontinyent, uma cidade da Espanha, é uma triste exceção por ainda torturar animais

A matéria foi publicada na Coluna Opinião do Jornal Ontinyent Vilaweb e escrita por um morador desta cidade espanhola que ainda pratica tortura contra os animais. O texto é um protesto contundente sobre a barbárie....
---------------
Ontinyent é uma exceção, já que somos os únicos em que a festa do galo também é realizada. Anualmente, Ontinyent celebra as festividades em homenagem à Imaculada Conceição, famosa pela oferta, o 'Cant dels Angelets', a gastronomia (caçarola assada) e os bois, os bois que são vítimas de agressão psicológica (para a afluência e a pressão das pessoas, pelo estresse e medo que estão sujeitas), como físico, como pode ser visto em um dos vídeos que acompanham.


Essas imagens foram transmitidas pela televisão e foram vistas por pessoas de todas as idades, incluindo crianças. Queremos realmente que as crianças recebam uma educação arcaica de celebrações relacionadas à barbárie? Porque, o que é ensinado às crianças? Bem, maltratar um animal é divertido.

Em um dos vídeos, pode-se ver como um embolador coloca 3 pérolas consecutivas, desnecessárias e sem sentido, no nariz do animal indefeso, tê-lo amarrado e sem possibilidade de dano a qualquer um. A dor do touro é notada no vídeo após o último ataque. Seu rosto e seus olhos dizem tudo.

Enquanto alguns se divertem, há um touro que sofre. Um ser vivo que sente, temerário, um animal inocente que não entende o que acontece, que a única coisa que ele quer é fugir. Deve ser muito cego ou muito insensível para não perceber que o animal sofre.

Estamos convidando todos para refletir. Como dissemos repetidamente, não estamos contra a festa, mas contra o uso de animais abusados. E pensamos que, mais cedo do que mais tarde, deve terminar. Há uma multiplicidade de alternativas recreativas que não implicam no sofrimento de qualquer ser vivo.

Não temos facilidade, uma vez que a mídia, acima de tudo, nos deixa de lado, assim como a maior autoridade de Ontinyent, prefeito Jorge Rodríguez, que em quatro ocasiões pedimos - por registro - numa reunião, recebendo apenas o silêncio como uma resposta. Não entendemos isso.

Somos uma parte da sociedade ontinyentina, todos os dias mais numerosos, que tem vergonha de sua cidade nessas datas. Tudo aumenta a conscientização sobre o abuso de animais. Todos os meses há municípios que anunciam que deixam sua barbaridade e param de usar animais durante os feriados. Nesse sentido, Ontinyent é uma exceção, já que somos os únicos em que o festival do touro de galo também acontece nos últimos anos.

Tenho sorte de que, no século 21, as redes sociais nos permitam difundir nossa mensagem com mais facilidade. Por exemplo, um dos vídeos que enviamos na nossa página do Facebook atingiu mais de 100.000 pessoas e tem cerca de 40.000 visualizações, vinculando-se a lugares inesperados. Não gostamos da imagem que estamos transmitindo de Ontinyent, mas continuaremos a fazê-lo enquanto a crueldade continuar.

Perguntamos se é significativo no século 21, uma "festa" onde o objetivo é se divertir com um animal. Nós pensamos que não, e convidamos a sociedade ontinyentina a refletir.

Fonte: Vilaweb
Facebook do autor do texto: Cassola sense corda

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪