RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador abrigo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador abrigo. Mostrar todas as postagens

10/31/2018

Salários de funcionários da Fazenda Modelo estão atrasados e tratamento aos animais é prejudicado

Bem, falaram que ia reabrir hoje. A conferir!!!!! Publiquei ontem sobre o assunto, mas, fiz questão que nossos leitores vissem as imagens deprimentes..... O capim está cobrindo!!!!! E não está pior porque tem um grupo da proteção dando a maior força possível....
-----------------
Funcionários da Fazenda Modelo da Prefeitura do Rio de Janeiro, que cuida de

9/17/2018

Abrigo na Zona Norte precisa de ajuda para continuar a resgatar animais de rua - RJ

Esta ONG já tem anos de trabalho pela causa animal. Quem puder dar uma força, seria muito legal....
----------------------------
A Sozed está com 48 cães e 140 gatos disponíveis para adoção. Eles estão tão superlotados que não podem mais fazer resgates, porque não há espaço. Tem animais de todas as idades e cães e gatos de todos os tipos. Muitos chegam com sinais de maus-tratos ou abandono.

8/27/2018

VÍDEO: desempregada, mulher abriga 70 cães dentro de casa no Entorno do DF

Ela precisa ser ajudada, mesmo. O depoimento dela é muito triste e a gente compreende bem o problema de doar e encontrar de novo o animal na rua todo estropiado...  Pelo jeito os animais estão doentes e em ambientes sujos.... Seria bom que uma ONG desse uma olhada por lá para tentar resolver.....É lamentável!!!
--------------
Conhecida como A Senhora dos Cães,

8/15/2018

Abrigo para gatos em ilha paradisíaca na Grécia abre vaga de emprego

Ô minha Santa!!! me devolve meus 20 anos e me faz falar grego? o resto eu resolvo..... kakakaka... qual de nós não ia querer estar ali, hein?
--------------
Oferta de trabalho para cuidar dos animais oferece remuneração e uma casa com jardim com todas as despesas pagas.
A busca pelo emprego perfeito pode ter terminado para quem admira felinos. O abrigo God's Little People Cat Rescue, localizado na belíssima ilha de Syros, na

7/24/2018

Animais são resgatados em situação de maus-tratos e desnutrição em Fortaleza

Que situação, minha Nossa!!!!!!! pra variar, foi encontrado armas de caça.... que tal? estou quase afirmando que a caça está ficando descontrolada.... Todo dia, os policiais encontram armas.... Vai ver, o mequetrefe usava os cachorros pra caça.... não duvido nada, embora os cães sejam porte médio....
------------------------
Dezessete animais – 13 cães e quatro gatos - foram resgatados em situação de maus-tratos e subnutrição em uma casa

7/05/2018

ABRIGO MODELO: Abrigo reformado da Fundação Brigite Bardot

Coisa mais linda, gente....... Olha a organização de um abrigo como todos nós sonhamos..... Aqui no Rio temos um gatil modelo e quem é do ramo sabe de onde falo. Tudo é muito lindo lá, os animais super hiper bem tratados.... Enfim, adoraria morar lá no fim da minha vida.....
----------------
Descubra o nosso refúgio Bazoches (cidade da França) através da sua nova apresentação cinematográfica. Arranjado a partir da antiga propriedade oferecida pela nossa Presidente Brigitte Bardot à Fundação, Bazoches tornou-se um refúgio para os nossos animais.

6/15/2018

ABRIGOS: Itajaí monta abrigo de inverno para moradores de rua e seus cães

Achei legal!!!!
-----------
O abrigo será aberto quando as temperaturas atingirem os 13 graus
A Secretaria de Assistência Social, em parceria com a Defesa Civil, está com tudo preparado para o acolhimento de pessoas em situação de rua durante a estação mais fria do ano. Um abrigo de inverno foi preparado para as noites de frio intenso e será aberto quando as temperaturas atingirem os 13 graus.

E a novidade esse ano é o acolhimento dos cães, a sugestão foi apresentada pela vereadora Renata Narcizo, na última segunda-feira, 4, em uma reunião com o Secretário de Assistência Social. Marinho prontamente atendeu ao pedido da Vereadora, e assim que aberto o abrigo, os animais também serão bem-vindos.

Como o abrigo é voltado para moradores de rua, os animais serão acolhidos, porém precisam de casinhas e cobertas para se protegerem do frio. Toda ajuda da comunidade é bem-vinda, e a vereadora Renata se disponibiliza a buscar as doações. Caso vocês tenha interesse e ajudar a causa, entre em contato com a vereadora pelo 47 9952-6319.

A expectativa é que os primeiros atendimentos sejam realizados nesta sexta-feira, 8. O abrigo está localizado na rua José de Alencar, 345, no bairro São Vicente.

O horário de entrada será das 20h às 23h30. O local tem capacidade para acolher 30 pessoas. Os acolhidos receberão janta e café da manhã. A equipe de Abordagem Social ajudará as pessoas em situação de rua para se deslocar até o abrigo. O horário de saída é até às 7h30 do dia seguinte.

Depois disso, eles serão acolhidos pelo Centro de Referência Especializado da Assistência Social para População em Situação de Rua (Creas POP), localizado na rua José Pereira Liberato, 2219, no São Judas.

“A intenção do acolhimento é fomentar o vínculo com o usuário na perspectiva de possíveis encaminhamentos, para um novo projeto de vida, se a pessoa assim desejar”, ressalta o Secretário de Assistência Social, Fabrício Marinho.

Esta ação é realizada em conjunto com a Defesa Civil de Itajaí, que cedeu o espaço, além de parceiros que realizam projetos sociais na cidade como a Igreja São Cristóvão; Igreja do CEI; Igreja Nossa Senhora de Lourdes; Igreja Reviver e Igreja Bom Pastor.

O município possui também a Casa de Apoio Social, que realiza este acolhimento durante as noites, para quem necessita, de domingo a domingo. “A ideia do abrigo também serve para as pessoas que optam por passar as noites nas ruas ao invés da nossa Casa de Apoio. Devido ao frio intenso, propiciamos esta oportunidade para quem não quer ficar no relento”, finaliza o secretário.

FONTE: clickcamboriu

5/26/2018

PROTETORA EM DIFICULDADE: Aposentada deixa de comer para alimentar animais

Quem puder ajudar, não deixe de fazê-lo.... A gente sabe como funcionam estas questões.
-------------
Interessados em ajudar com doações, podem entrar em contato pelos telefones (12) 9 9223 7205 (Duchie), após às 22h, (12) 9 9137 9098 (Sandra)
Cães e gatos abandonados pelas ruas de Ilhabela ganharam, nas últimas décadas, mais que uma simples defensora. Dochie Dobrota, 61 anos, chegou a vender um computador, aparelhos eletrônicos e objetos da casa onde vive, além de ter suspendido o serviço de internet, para comprar ração para os 48 cães e 150 gatos que ela recolhe das ruas do arquipélago, nos últimos 20 anos, a maioria, em idade avançada e doente.

Apesar de já estar aposentada, Dochie (lê-se Duquiê) gasta a maior parte do salário que recebe como balconista em um supermercado, para adquirir ração e medicamentos. Ela conta: “Estou cansada, exausta, com idade avançada, mas preciso do trabalho para alimentá-los. E permanecerei assim enquanto tiver forças”. Muitos dos animais foram encontrados com doenças terminais, como câncer, e até mutilações. “Animais doentes, aleijados, ninguém quer adotar. Preferem os sadios, bonitinhos”, diz ela.

Para abrigá-los, ela construiu um canil e um gatil improvisados, erguidos com restos de madeira, cercas de arame e telhas de amianto, nos fundos de sua casa humilde, também feita de madeira, no alto de um morro, longe da vizinhança. Mesmo assim, já recebeu queixa de vizinhos incomodados com os latidos, apesar da distância de quase mil metros da casa mais próxima.

Em 2010, a prefeitura de Ilhabela demoliu o canil e o gatil erguidos por ela, sob a alegação de que a estrutura estaria irregular. “Não me notificaram, não avisaram. Simplesmente chegaram aqui e colocaram tudo abaixo, mesmo com os cães e gatos”, conta ela, lembrando sobre o desespero que passou para abrigar os animais. Anos depois, ela recebeu uma indenização, após ter ingressado com ação judicial contra a prefeitura, por danos morais, por intermédio de uma advogada que também trabalhou de forma voluntária no caso. O canil atual já está com sua estrutura comprometida e com risco de desabar.

Devido às dificuldades financeiras, Dochie depende de doações de voluntários para alimentar “seus filhos”, como ela gosta de chamá-los. “Recorro a amigos, a pessoas que gostam de animais. Tem mês que eles podem ajudar, mas nem sempre é possível”, reconhece. A aposentada conta que, para os bichos não morrerem de fome, pede dinheiro emprestado. “Deixo de comer ou vendo minhas coisas. Já vendi meu computador, cancelei a internet e já não tenho quase nada em casa”, desabafa ela, apontando para seu barraco de um cômodo, onde vive rodeada por diversos cães. Ela se recorda da última perda. “Uma cadela, já idosa, morreu recentemente de câncer”.

No início do ano, Dochie levou um grande susto. Caiu de uma altura de 40 metros, ao lado de sua casa, após tentar resgatar uma cadela que havia despencado pela ribanceira. Ao tentar descer, escorregou porque a vegetação não suportou seu peso. Foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros com escoriações leves, após duas horas de operação de resgate. “Faria tudo de novo, por amor que tenho pelos cães”.

Mesmo com a falta de condições financeiras, veterinários fazem consultas regulares aos cães e gatos sob seus cuidados, que são vacinados e vermifugados, sem cobrar pelos serviços. Para tentar melhorar a qualidade de vida dos bichos, Dochie pensa em abrir uma organização não governamental para conseguir ração. “Com CNPJ, consigo preços mais baratos para comprar ração e medicamentos, que são caríssimos”.

Quem se interessar em ajudar Dochie com doações, pode entrar em contato pelos  telefones  (12) 9 9223 7205 (Duchie), após às 22h,  (12) 9 9137 9098 (Sandra). Para doações em dinheiro: Banco Bradesco: agência 1013-8; CC: 10.510-4 - Dochie Dobrota.

FONTE: d.costanorte

5/04/2018

VELHICE: Cães idosos encontram um lugar acolhedor para o fim de suas vidas

Como amo animais idosos.... queria tanto ter condições de atender estes animais..... São tão queridos.....
-----------
Cães idosos encontram um lugar acolhedor para passar o fim de suas vidas em Michigan
A organização sem fins lucrativos funciona como um asilo para cães idosos e visa trazer mais amor e conforto durante a velhice desses animais, além de oferecer um final de vida digno para eles

Assim como é para os humanos, a velhice também é o momento mais complicado da vida dos cachorros. Este é o momento onde todos nós precisamos de um cuidado maior, de mais ajuda para fazer as coisas do dia a dia, incluindo as mais simples, e também de mais atenção. Porém, é neste momento da vida também, a velhice, em que todos são mais esquecidos, tanto idosos humanos quanto idosos animais.

Cansada de ver e ouvir sobre casos de cachorros idosos que foram abandonados quando mais precisavam de ajuda, Kim Skarritt criou, há cerca de dois anos, a Silver Muzzle Cottage Rescue & Hospice, uma organização sem fins lucrativos localizada em Michigan, nos Estados Unidos, que ajuda animais idosos abandonados e trabalha com abrigos, além de também ajudar tutores, sempre pensando no bem-estar dos cães mais velhos, aqueles que precisam de um cuidado maior e atenção especial.

A Silver Muzzle Cottage funciona como uma espécie de asilo para cachorros idosos e é administrado por um grupo local de amantes de cachorros que se uniu para dar um final de vida mais digno e cheio de amor para esses peludinhos mais velhos que foram abandonados.

No local, que conta com profissionais treinados, os animais encontram um lar aconchegante e acolhedor, onde eles podem descansar e vão sempre receber atenção e carinho, independente de estarem doentes, incapacitados ou terem sido indesejados por seus antigos tutores.

“Eles não pedem muito quando estão realmente velhos. Eles querem ser amados e cuidados, querem comida e só precisam de um lugar quente para colocar a cabeça à noite. Em algum momento, eles foram cuidados e, quando mais precisavam, não foram. E é por isso que eles realmente precisam de um lugar como o nosso”, disse Kim Skarritt ao Detroit Free Press.

A instituição Silver Muzzle Cottage foi construída ao lado do centro de treinamento para cães que também pertence a Kim. O local foi realmente pensado para esses animais e conta com muitos sofás e camas macias. Além de cachorros idosos a partir de 10 anos de idade, a organização também oferece abrigo e cuidados para animais de qualquer idade que sofram de uma doença terminal.

Kim Skarritt conta com a ajuda de 100 voluntários que cuidam dos cães, interagem com eles, lhes dão carinho e os levam para passear.

Além de todo esse trabalho, a Silver Muzzle Cottage ainda ajuda a encontrar lares amorosos para muitos destes cães idosos, onde eles passam seus últimos momentos de vida recebendo muito amor de uma família.

Porém, mesmo os que não são adotados também têm um final de vida digno, confortável e cheio de amor na organização. Todos prezam por isso no local. “Para algumas pessoas, é muito difícil. Elas realmente não conseguem lidar com isso. Mas para quem consegue… é muito gratificante. Temos que olhar para isso de uma forma positiva, caso contrário, seria muito deprimente. Mas é uma vitória para nós e é uma vitória para os cães”, conta Kim Skarritt.

Por mais pessoas como Kim Skarritt no mundo e mais cuidado e preocupação com os animais idosos.

FONTE: portaldodog

5/02/2018

AJUDA: Abrigo de animais continua interditado por estrutura inadequada em Itararé

É triste ver a situação de uma ONG que apenas quer audar os animais. Noticiamos a interdição em janeiro último que pode ser lida AQUI.
-------------------
Vigilância Sanitária interditou a ONG pela primeira vez em janeiro, sendo que a mesma já havia sido notificada em 2009. Apesar de algumas melhorias o local continua sendo motivo de preocupação.

Foi prorrogada por mais 90 dias a interdição da ONG União Itarareense de Proteção aos Animais (Unipa) que abriga animais em Itararé (SP). A decisão foi tomada no dia 10 deste mês após serem constatadas irregularidades como superlotação, estrutura inadequada e animais doentes.

A Vigilância Sanitária interditou a ONG pela primeira vez em janeiro deste ano, sendo que a mesma já havia sido notificada em 2009. Apesar de algumas melhorias feitas, os fiscais chegaram à conclusão que o local continua sendo motivo de preocupação.

Danielle Iris, primeira secretária da Unipa, confirma que o número de animais atendidos ultrapassa o limite que foi colocado pela Vigilância Sanitária. "A ONG conta com 415 animais ao todo, sendo que deveriam ser apenas 160 segundo a vigilância. Não temos estrutura nenhuma para receber mais animais, mas muitos órgãos dependem da gente e do nosso trabalho”, afirma.

Ainda de acordo com Danielle, o barracão onde funciona a ONG também foi motivo da interdição e, para a Vigilância Sanitária, o prédio deveria ter sido demolido porque oferece risco de desmoronamento, além de estar virando abrigo de pombos. "A prefeitura se comprometeu a fazer as manutenções, mas nada foi feito. Eles chegaram a vir, olharam, mas não fizeram nada", diz.

Segundo Gislene Fátima de Oliveira, diretora da Vigilância em Saúde, a ideia não é fechar a ONG e sim melhorar as condições do local. "Nunca quisemos fechar a Unipa e sim melhorar as condições, mas vai precisar ficar mais 90 dias interditada para que haja adoções e diminuição do número de animais", diz. A Prefeitura de Itararé disse que ainda não demoliu o prédio porque serviços elétricos precisam ser feitos, mas afirmou que continua repassando verba para a ONG. A TV TEM tentou entrar em contato com o antigo responsável pela Unipa, mas ele não respondeu as ligações.

Dificuldades financeiras
A Unipa é mantida com recursos da prefeitura e doações. A tesoureira da ONG, Iuca Vidal, diz que o município repassa aproximadamente R$ 22 mil, rações e mão de obra, mas em contrapartida o custo para manter os trabalhos na unidade está sendo maior. "O que a gente tem não dá nem para a nossa existência aqui e ainda temos que lidar com dívidas da administração passada", conclui.

FONTE: G1

4/29/2018

INCRÍVEL: Esta família dedica tudo ao cuidado de 3.000 cães sem lar em Taiwan

Gente do Céu, quando é pra malhar "nóis malha", mas, quando é para elogiar o povo asiático de bom coração, temos obrigação de noticiar com grande destaque.... Como sempre falei aqui, nossos companheiros de luta pelo direito dos animais naqueles países da Ásia, são uns heróis porque é uma luta muito pesada. São lutas terríveis que eles enfrentam!!!! Axé para estes companheiros e que muita luz energizem seus caminhos idealísticos. Entrem no link da matéria para verem todas as fotos incríveis e visitem o facebook da ONG que faz um trabalho inacreditável de tão bom!!!!!
--------------- 
Esta família de Taiwan, dedicou tudo para cuidar de 3000 cães desabrigados. O Santuário da Sra. Hsu funciona há cinco anos 
Não há dúvida de que esta cena parece sonho para os amantes de cães: mais de 3.000 cães de todas as formas e tamanhos, com beijos incontáveis, licks e wiggles sendo oferecidos para adoção durante todo o dia. Mas em um abrigo de animais em Taiwan, é uma realidade.

No Santuário da Sra. Hsu , um abrigo familiar aberto há cinco anos, os cães superam as pessoas. Porque a população passou a abandonar os cães no país, a família Hsu lentamente começou a hospedar uma pequena população de cães desabrigados e esse número continuou a crescer até que, finalmente, um bom samaritano doou uma grande facilidade para servir como um abrigo adequado . Agora mais de 3.000 cães vivem lá enquanto esperam por sua casa para sempre.

Como muitos voluntários que dedicam incontáveis ​​horas aos cães, Angel Wang começou a se voluntariar no abrigo há quatro anos, porque ela também percebeu quantos cães em sua comunidade estavam desabrigados. "Eu realmente amo cachorros, mas especialmente cães de rua. Porque há tantos, o nosso refúgio se tornou o maior em Taiwan ".

Em fevereiro passado, Taiwan tornou-se o primeiro país da história a proibir a eutanásia de cães sem lar como meio de controle populacional. Abrigos como o Santuário da Sra. Hsu estão se concentrando mais em programas castrados e neutros, uma mudança bem-vinda que esperançosamente aumentará a conscientização sobre a reprodução.

A maioria dos cães do abrigo chegou perdida, mas muitos foram resgatados de acidentes de trânsito ou armadilhas por fazendeiros para manter os animais longe das plantações. Geralmente, eles acabam pegando cães inocentes no processo. "Temos um veterinário em nosso abrigo, mas se o cão tiver uma lesão crítica demais, será levada para um hospital de animais local. Temos vários cães com pernas perdidas ou paralisia nas patas traseiras. "

Além de uma variedade de funcionários em tempo integral e voluntários, o abrigo também tem um colaborador especial que constrói cadeiras de rodas customizadas e de baixo custo para qualquer cão que precise delas. Além de cuidados veterinários, o abrigo também oferece uma sala de banheiro em grande escala, um quarto noturno para os cães dormirem e uma sala especial apenas para gatos.

Como muitos dos cães estão perdidos e estão acostumados com a companhia de outros cães, eles costumam passar o dia no "parque", o que lhes dá a oportunidade de brincar um com o outro e dar um passeio com os voluntários. Angel gosta especialmente do tempo que passa com cada um dos cães, e até conheceu sua melhor amiga no processo. 

Um dia, em dezembro de 2015, Angel viu uma cadela cinzenta e peluda, de aparência doce, que acabara de ser levada ao abrigo. "Ela foi imediatamente muito gentil comigo e quis sentar no chão e brincar o dia todo. Toda vez que fui voluntário, ela me viu e caminhou ao meu lado pelo resto do dia. Finalmente comecei a chamá-la de Huei Huei, que significa "cinza". Os meses passaram e, em seguida, o tempo que Huei Huei passou no abrigo tornou-se anos. Mas Angel continuou a prestar atenção especial a ela e, em março de 2017, ele a levou oficialmente para casa. "Ela tocou meu coração. Nós nos tornamos bons amigos ".

O número de cães excede em muito os funcionários e voluntários, as pessoas na comunidade trabalham o dia todo para cuidar dos cães e são totalmente financiadas por doações de pessoas locais que acreditam em sua missão. "Eu amo estar com cães e vê-los felizes", disse Wang. "Os sorrisos deles são minha parte favorita."

Mais informações: Facebook

Fonte: Notas de Mascotas

4/28/2018

Um dia na vida de um abrigo de animais na Rússia

Sem apoio nenhum do governo, os abrigos russos vivem na miséria..... Esta vida dos protetores não é mole em qualquer lugar deste mundo.... Estas empresas de luz, gas e tel deveriam contribuir com, ao menos, 1 real por conta e dividir o total com as ongs brasileiras que também estão em petição de miséria, embora em melhores condiçoes do que aqueles da Rússia.... Triste não poder ajudar aquela gente incrivel da proteção animal deste país que está mandando matar os cães de rua por conta da Copa.
------------------
Estes pobres cães e gatos são mantidos neste abrigo em péssimas condições. Na Rússia, ninguém se preocupa com animais vadios, exceto com a fonética. Eles não têm dinheiro para criar condições normais para mantê-los.

Fonte: LiveMail

3/19/2018

Abrigo uruguaio faz festa grandiosa anual para comemorar o quanto ajudaram os animais

Pesquisando no YouTube achei este espetáculo. É um abrigo de animais do Uruguai que todo ano faz uma festa espetacular para comemorar tudo e todos que ajudaram os bichos de alguma forma. Centenas de pessoas comparecem.  Eu morri de inveja porque sempre fiz isto durante o período que fui conveniada com a Prefeitura. Mensalmente, reunia as protetoras e pessoal do IJV e comemorávamos as adoções, as castrações e o avanço que estávamos conseguindo na causa..... Adoro isto!!!!! e mesmo este vídeo sendo de 2 anos atrás, consegui viver um pouco destes momentos espetaculares.... Não deixe de ver!!!!

--------------
há cerca de 2 anos ·
El próximo Domingo 22 de Noviembre, 1200 animales que han sido víctimas de maltrato y abandono, se reúnen con más de 3.000 personas que de una forma u otra, han sido parte de su recuperación y su oportunidad de vivir.



Algumas fotos lindas do local. Vale a pena ver todas. É cada uma mais linda que a outra!!!!! Fiquei encantada!!!!!!






2/24/2018

Após acordo, mulher terá de se desfazer de 21 cães

Olha,a gente compreende que não é qualquer um que atura latição de cachorro e, na verdade, é horrível.... Mas, o que fazer quando uma de nós que faz um serviço voluntário para a prefeitura fica a mercê de incomodados com a tal latição? é triste, viu?
----------------
Michele Alencar abriga cachorros que foram abandonados. Denúncias de vizinhos resultaram em conflito judicial para a retirada dos animais

Um conflito judicial se encerrou com decisão para que uma mulher que abriga 21 cães se desfaça dos animais até maio. Conforme denúncias de vizinhos, os cachorros abrigados por Michele Alencar, 48, em Caucaia, provocavam muito barulho e mau-cheiro. Órgãos do município avaliaram em visita que há barulho de latido acima do permitido, observando também que os animais estão em boas condições de abrigamento e sem sinais de maus-tratos.
“Moro aqui há dez anos e dou abrigo a esses animais e agora querem que eu me desfaça do canil. Alguns eu coloco para adoção responsável, mas eu tenho laço com eles,. Não estão nem preocupados para onde esses cachorros irão”, afirma a corretora. Ela agora busca ajuda para encontrar outro local para os animais, já que Caucaia não conta com abrigo público e, em caso de abandono, ela pode responder criminalmente por maus-tratos. Michele recebe doação de ração e ajuda financeira para tratamento médico dos cães.

Núbia Sousa, 44, é uma das vizinhas que realizou a denúncia. De acordo com a secretária administrativa, o barulho dos latidos, o mau-cheiro e a proliferação de carrapatos dificultaram o convívio. “Eu me mudei recentemente e falei com ela. Só pedi que pelo menos esses cachorros que ficam aqui próximo à minha parede fossem mudados, mas ela se recusou e entrei com a denúncia. A gente mal consegue entrar nos quartos aqui em casa”, disse. Após denúncias, o Ministério Público solicitou vistoria do local pelo Instituto do Meio Ambiente de Caucaia (Imac), que constatou, em visita no dia 25 de setembro, que “os animais encontravam-se em boas condições de abrigamento”.

Porém, conforme relatório, “por se tratar de quantidade razoável de animais, existe a produção de ruídos acima do limite permitido aferido na vizinhança”. Segundo promotor responsável pelo caso, Francisco Lucídio de Queiroz, por ter sido um acordo entre as partes — apenas na terceira audiência, este ano — não há espaço para recurso. “A dona Michele resgatava animais das ruas e ia cuidando e conseguindo tratamento, mas permanecia com os cachorros em vez de encaminhar para um local que realmente tivesse condição de receber”, explicou o promotor.

Ela tem 90 dias, desde a assinatura do acordo, para a transferência dos cães e limpeza do local. “Se ao término, ela não tiver cumprido, pode responder a um processo criminal e ocorrerá a retirada compulsória dos animais”, disse o promotor.

O POVO buscou contato com Helena Leite, assessora jurídica do Imac, para saber as definições de uma reunião sobre a transferência dos animais, no entanto, as respostas não foram enviadas até o fechamento desta página. Michele Alencar afirma que está entrando com apelação para permanência dos animais no local.

O QUE DIZ A LEI 
Art. 32 da Lei de Crimes Ambientais - Lei 9605/98 Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. Decreto Nº 24.645, de 10 de julho de 1934 Art. 3º - Consideram-se maus tratos: V - abandonar animal doente, ferido, extenuado ou mutilado, bem como deixar de ministrar-lhe tudo que huma-nitariamente se lhe possa prover, inclusive assistência veterinária.

FONTE: opovo

2/21/2018

Sinop: prefeitura diz que buscará solução com a câmara para evitar fechamento da associação que cuida de animais

É o mínimo que uma Prefeitura pode fazer quando uma ONG que presta serviços para a comunidade esta neste desespero de causa..... Que tudo seja resolvido para nossos companheiros...
-------------
A prefeitura vai tentar buscar uma solução para evitar o fechamento da Associação Protetora dos Animais de Sinop (Apams). A assessoria, em resposta a questionamento feito por Só Notícias, informa que a prefeita Rosana Martinelli (PR) pretende se reunir com os vereadores para discutir o assunto.

A assessoria ainda informou que, desde 2009, a prefeitura celebra convênios anuais com a Apams, e que já repassou R$ 970 mil, desde então. Para 2018, serão destinados R$ 112 mil, sendo R$ 60 mil de recursos próprios e o restante de emendas impositivas da Câmara de Vereadores. “A prefeitura lembra ainda que para o ano de 2018 já tem previsto convênio com 20 instituições do município e repasses de R$ 3,3 milhões”, afirmou a assessoria.

Conforme Só Notícias já informou, o encerramento das atividades da Apams foi anunciado esta semana. A alegação é de falta de recursos para manter a entidade, que atua recolhendo animais abandonados no município. “Todo ano é uma novela com este negócio de verba. Em 2016, recebemos R$ 370 mil de ajuda da prefeitura. Este ano, caiu para R$ 110 mil. Se é para ficar todos os anos nesta lamúria, implorando recursos, é melhor fechar”, afirma a diretora Luciane Pranti Chiarello.

Segundo ela, foram feitas algumas reuniões com a prefeita Rosana Martinelli (PR), no intuito de aumentar o valor do convênio. No entanto, não houve avanços. “Estou decepcionada mesmo. Não consegui nada. Só ‘enrolação’. Acho que em 12 anos já deu para ver que a instituição é séria e faz um trabalho correto, extremamente ético. Quem sabe agora, a gente não consegue um posicionamento da prefeitura”.

Além dos recursos públicos, a entidade conta ainda com uma ajuda média de R$ 5 mil mensais em doações de empresas e pessoas físicas. O valor ajuda a fechar as contas, mas ainda é insuficiente e, para ela, falta engajamento da sociedade e classe política com a causa. Com um gasto mensal estimado em R$ 50 mil, o restante da conta é custeado pela diretora, com recursos próprios. “Eu acabo pagando do meu bolso”, reclama.

A diretora explica que a entidade, no primeiro momento, deixará apenas de receber novos animais. Atualmente, mais de 200 ainda aguardam adoção e, por tal motivo, os funcionários continuarão trabalhando. Neste sábado, a instituição fará uma feira de adoção, no pátio de uma empresa localizada no cruzamento das avenidas das Sibipirunas e Tarumãs. “Vamos tentar a doação deste animais, mas a gente sabe que não iremos conseguir para todos. Por exemplo, temos 16 paraplégicos que as pessoas não querem. Animais idosos, não querem também. Não vou abandoná-los”.

A Apams funciona em um espaço alugado de 450 metros quadrados, localizado no Setor Industrial Sul. O tamanho é insuficiente para a demanda de animais resgatados. Segundo Chiarelli, quando funcionou com recursos necessários, a entidade chegou a retirar até 4 animais das ruas por dia no município. Apesar de ter recebido, em doação da prefeitura, um terreno de 5 mil metros quadrados, localizado no Jardim Safira, também falta dinheiro para construção da sede própria, afirma Luciane.

A equipe da Apams é composta por sete funcionários, sendo dois veterinários. O grupo, após recolher os animais, também faz a vacinação, castração e, só então, os encaminha para adoção. “Você pega o animal destruído. Trata ele e isso leva, às vezes, até um ano. Neste período tem um custo para nós. Vacinamos, castramos e encaminhamos para a doação. Este trabalho é tão completo que nenhuma outra instituição do Estado faz. Por isso temos tantos gastos”.

A Apams continuará recebendo doações. Uma das formas é em débito automático em conta corrente (para clientes do Banco do Brasil) ou desconto mensal na conta de água. Para autorizar os pagamentos, os interessados devem imprimir e preencher formulários disponibilizados pela instituição. Em seguida, os documentos deverão ser devolvidos à entidade, que faz os trâmites com a concessionária de água e o banco para iniciar os descontos. Os interessados podem doar qualquer valor.

Apesar de ter anunciado o encerramento das atividades, Luciane mantém a esperança de revogar a medida. “Por enquanto, não vamos mais fazer este trabalho, a não ser que o poder público se manifeste com algo certo, que me permita ‘dormir à noite’, pagar meus funcionários e impostos. Hoje, precisamos, além destes R$ 110 mil do convênio com a prefeitura, pelo menos, mais R$ 250 mil (por ano) para fechar as contas apertado”, finalizou.

A Apams foi fundada em agosto de 2005.


FONTE: sonoticias

2/12/2018

Homem transforma sua casa em um santuário para 300 gatos - Nova York

Ah, seu eu pudesse.... queria terminar meus dias num lugar deste....
------------
Olhe, vislumbre do meu futuro. Aos 58 anos, Chris Arsenault vive com 300 gatos, dando-lhes a vida de luxo que merecem - completa com redes e poleiros aquecidos para relaxar e jantares de frango assado.

Ao contrário de nós, a escolha de Chris de viver com esses muitos gatos não veio de singles e precisa ser cercada por criaturas peludas calmantes. Seu santuário para gatos realmente tem uma experiência profunda.

Chris decidiu abrir sua casa para os gatos para lidar com o sofrimento de perder seu filho, que morreu aos 24 anos em um acidente de moto no Long Island's Cross Island Parkway.

Poucos meses depois da morte de Eric, Chris encontrou uma colônia de gatinhos doentes ao lado de uma via férrea enquanto trabalhava como condutor de trem.

"Havia trinta gatinhos pequenos e eu poderia dizer que eles estavam doentes", diz Chris. "Eu sabia que se os deixasse lá, eles morreriam, então eu os trouxe para casa comigo.

"Eu sou um verdadeiro amante dos animais. Quando eu era criança, eu tinha coelhos e gerbils e cães, você o nomeia. Os animais sempre foram minha paixão. Depois que meu filho morreu, esses gatos me deram algo para fazer".

Depois de cuidar esses gatos de volta à saúde, Chris percebeu que ele tinha mais para dar. Ele contatou instituições de caridade e abrigos locais para encontrar mais gatos que precisavam de ajuda e adotaram mais e mais gatinhas, trazendo finalmente 300 gatos para dentro de sua casa.

Ele acabou por dar à sua casa uma reforma para transformá-lo num refúgio para os gatos, adicionando redes para eles tomar sol, poleiros aquecidos e fazer espaço em torno da casa e do jardim para os gatos vagarem.

A única área que é apenas para ele é o pequeno quarto de oito por doze pés onde Chris dorme e come.

Chris agora acorda às 7 da manhã todos os dias para cuidar dos gatos, recarregando bacias de água, sacando bandejas de lixo, esfregando pisos e fazendo jantares de frango assado para que seus amigos peludos aproveitem.

Ele também tem que atender a saúde dos gatos, dando a cada gato sua própria medicação e certificando-se de que nunca sofrem.

O santuário tem uma política para esterilizar e neutralizar todos os gatos que se juntam, e Chris busca cuidados veterinários quando ele não consegue tratar gatos doentes.

Em 2016, o abrigo custou US $ 101.000 (£ 72.000), incluindo US $ 80.000 para alimentos e serviços públicos e US $ 21.000 em medicamentos e cuidados veterinários.

"Todos os dias eu tenho que tratar as gatas doentes", diz Chris. "Para manter o controle disso, eu uso colares de papel coloridos.

"Dependendo de sua doença, eu tratá-los com medicamentos diferentes, e se é algo que não consigo corrigir, garanto que o gato chegue ao veterinário.

"No ano passado eu gastei US $ 22.000 em contas veterinárias para os gatos. Tenho todo gato que entra no santuário castrado ou esterilizado.

É um trabalho árduo, mas Chris está tão feliz que ele dedicou sua vida a cuidar de gatos que precisam.

"Eu não acho esmagador, embora existam 300 gatos agora", diz Chris.

"Eu realmente acredito que, se você é apaixonado por algo, você pode lidar com qualquer coisa. Eu realmente amo o que eu faço.

"Minha casa, é uma casa grande e há uma grande área de quintal. Tudo está preparado para os gatos. Eu projetei e construí-lo sozinho.

"Para mim, a segurança e a higiene têm sido uma prioridade. Eu tenho que ser capaz de limpar tudo, lavar tudo.

"Os pisos são de vinil e as paredes estão cobertas de folhas de plástico. Do lado de fora, tudo é concreto, então é fácil manchar isso.

"Eu tenho meu próprio espaço na casa na sala de caldeiras. Eu construí meu próprio banheiro lá, e eu tenho uma pequena área onde eu tenho um microondas, um forno torradeira e uma pia.


FONTE: metro.co.uk

1/24/2018

Cãodomínio abriga cachorros abandonados no Litoral Norte - RS

Paulinho é um dos nossos, sem dúvida, mas, este tipo de matéria costuma trazer mais problemas do que soluções, concordam? Pobre Paulinho.... tomara que não e ele tenha apoio de gente bacana por lá....
-------------
Sítio tem 141 animais, que dispõem de guarda-sol e até de "espaço gourmet"
Paulo Giglio, o Paulinho da Filler, é o dono do sítio às margens da RS-407
 As casas, em sua maioria, seguem um padrão: pintadas de verde, com ampla área arborizada e "espaço gourmet" individual para cada morador. O serviço de limpeza é diário.
"Que acharam? Não tem segunda impressão aqui. Para mim, a primeira é a que fica. Então, gostaram?" indaga, ansioso, o representante comercial aposentado Paulo Roberto Giglio, às vésperas de completar 65 anos.

Paulinho da Filler, como Giglio ficou conhecido no Litoral Norte  — o apelido faz referência à empresa de alimentos para a qual trabalhou por anos  —, é o feliz proprietário do Cãodomínio, um pequeno sítio às margens da RS-407 que abriga 141 cães, muitos com alguma deficiência ou sequela de doença grave. São animais abandonados, alguns em plena rodovia, uma das mais movimentadas da região, outros nas praias de Xangri-lá, Capão da Canoa, Imbé e arredores.

À beira da estrada que poderia ser o caminho sem volta desses bichos, Paulinho organizou o acolhimento. São gastos cerca de R$ 8 mil mensais em cem quilos de ração por dia, além de medicamentos e consultas ao veterinário. O trabalho já foi alvo de críticas, mas, ao longo dos anos, ganhou apoio e, hoje, o aposentado conta com a ajuda (pouca, porém, valiosa) de doações e parcerias que viabilizam a assistência aos cães. — Não, não estão para doação, nem para a venda. São meus filhos e sou feliz em cuidá-los. Um bom pai não dá, não vende nem abandona seus filhos — adianta Paulinho.

Na área, a matilha se divide entre os que ficam soltos no pátio enorme e os que ficam amarrados na área externa, nas casinhas verdes que se enxerga da pista. Onde não há sombra suficiente para aplacar o sol escaldante, Paulinho colocou guarda-sóis. Tudo é diariamente higienizado para evitar odores desagradáveis, parasitas e reclamações dos vizinhos. Os visitantes podem comprovar o resultado dessa dedicação.

Paulinho conta que em outros tempos havia mais abandono na RS-407. Carros paravam e, sem dó nem piedade, abriam as portas e deixavam, ao deus-dará, cães de todas as raças e idades. Muitos morriam por ali mesmo, atropelados, se não tivessem a sorte de serem avistados pelo cuidador. A época de veraneio, conta ele, é a mais dramática, porque muita gente deixa os bichos para trás.— Já foi pior, acho que o pessoal está mais consciente. Vez ou outra ainda encontro animais na estrada — diz.

Paulinho preocupa-se com o destino dos animais. Não quer ampliar o grupo, mas se dedicar aos que lá estão. Há cinco anos, ele sofreu um infarto; pouco tempo atrás, ficou viúvo. Sozinho, percebe que a idade começa a apresentar suas contas, tanto para ele quanto para os próprios cachorros, que vão se fragilizando com o passar dos anos. Alugou um cantinho em Capão da Canoa e deixou o sítio para os animais. Na agropecuária Casa da Lavoura, ele busca a ração quase que diariamente, porque estocá-la no sítio não é seguro. Já furtaram doações inteiras do lugar. Paulinho vira-se como pode, com o dinheiro da aposentadoria e a colaboração de quem acredita no trabalho. Muita gente vai à agropecuária e deixa pago um tanto de alimentos para os bichos ou remédios. Tudo espontaneamente.
— Não sou pedinte. Nunca faltou e nunca vai faltar.

Para ajudar
Contatos com Paulinho pelo fone (51) 99791-2606. 
A Casa da Lavoura, em Capão da Canoa, também recebe doações, informações pelo fone (51) 3665-4153.

Fonte: Gaucha ZH

1/08/2018

Cão se assusta com fogos e procura abrigo em viatura da PM em Barra Bonita

A notícia já tem uns dias, mas, é bom registrar para nossos leitores. Agora, o que dá pena é que o pobrezinho ficou perdido, provavelmente.... A nojentada humana só se preocupou com as fotos ao invés de recolher o cachorro e tentar ver se achava o dono.... 
-----------
Animal ficou cerca de 30 minutos no banco traseiro do veículo durante os rojões. 'Ficamos com dó porque eles não têm o treinamento para aguentar tanto barulho', diz sargento.

Uma visita inusitada chamou a atenção de policiais militares durante a queima de fogos da virada do Ano Novo em Barra Bonita (SP). Assustado com o barulho dos rojões, um cachorro procurou abrigo em uma viatura da PM na avenida Sabino Bolla.

Em entrevista ao G1 nesta quarta-feira (3), o sargento da PM João Leonei Montai Messias conta que a viatura estava estacionada na avenida, onde foram montados dois palcos para apresentação de bandas regionais na festa de Réveillon.

No momento em que começaram os fogos, à 0h, o cachorro se assustou e correu para a viatura. “A viatura estava com as portas abertas porque os dois policiais estavam fiscalizando a área. Na hora dos rojões, ele entrou no banco traseiro, se encolheu e ficou bem quietinho.”

Ainda segundo o sargento, o cachorro, um vira-lata macho de porte médio, permaneceu por aproximadamente 30 minutos na viatura até se acalmar.

“Ele ficou assustado e bastante ofegante, mas depois que se acalmou também saiu e foi curtir a festa. Apesar de ele estar com uma coleira, acredito que não tenha dono porque na avenida só tem alguns comércios”, afirma Leonel.

Durante o tempo que ficou na viatura, o animal virou atração de pessoas que acompanham a festa para tirar foto e também chamou a atenção dos policiais no veículo.

“A gente fica com dó porque esses cães não têm o treinamento que os cachorros e cavalos da PM, que acabam acostumados com esse tipo de barulho. Além disso, os policiais também gostam muito de animais, então foi muito legal acolher e acalmar esse cão por alguns minutos.”

FONTE: G1

12/26/2017

Cenas emocionantes depois que um cão reconhece seu dono

Como é bom ver coisas assim, não? chorei pacas pela felicidade da criaturinha....
---------
Cão se encontra com seu dono e o reconhece lentamente depois de anos em um abrigo. No começo, esse cão não percebeu que esse cara era o seu último dono, mas, uma vez reconhecido é emocionante  o que ele faz..... 


Fonte: The Dodo

Diretor de abrigo finge morte de cachorro para não devolvê-lo a família

Acho que todos os protetores deveriam ficar a favor do diretor do abrigo.... Eu faria o mesmo.... Já mandei meu apoio à ele pelo face da ONG que destaquei no texto...
--------------- 
O cão Mack foi alvo de uma longa batalha judicial nos Estados Unidos; diretor alega negligência de família adotiva
O cachorro fugiu de casa diversas vezes e o diretor do abrigo entendeu que o pet não gostava da família que o havia adotado
Um cão que foi alvo de uma batalha judicial de dois anos e de uma morte falsa está de volta à sua família adotiva no Estado do Missouri, nos Estados Unidos. 

A emissora KSDK-TV reporta que Jamie Patterson e seus sete filhos adotaram Mack, uma mistura das raças boxer e mastiff de uma associação que resgata animais, a Rough Road Rescue, em 2015.

Mas acontece que Mack se mostrou um grande profissional na arte da fuga. Na última vez em que ele fugiu de casa, o diretor da associação, Steve Svehla, o encontrou e decidiu ficar com ele, acusando Jamie de negligência. Começou então uma batalha de dois anos na Justiça e os tribunais votaram em favor de Jamie.

Mas, em vez de devolver o cachorro à 'mãe' adotiva, o diretor da associação a entregou uma caixa de cinzas e afirmou que o cão havia morrido, o que era mentira. Depois de uma investigação, Svehla confessou que o cão estava vivo e o entregou à dona. Agora, ele enfrenta acusação de roubo por não ter devolvido o cão imediatamente depois de o caso ser encerrado. Ele ainda mantém a alegação de negligência por parte da família.

Fonte: Estadão

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪