RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador México. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador México. Mostrar todas as postagens

6/04/2019

Esta é a Ambudog, a primeira ambulância gratuita para animais de rua do México

Dá um certo alívio saber que, apesar de tantos casos de crueldade, humanos andam modificando seu olhar nas questões da causa animal.....
-------------------
O aumento da população de animais de rua é um problema grave em várias partes do mundo. O quadro vem fazendo com que muitos países adotem medidas

4/07/2019

Imagens de cortar o coração mostram um cão deitado ao lado do dono atropelado por um trem

O triste pra nós é não saber o fim do pobrezinho!!!!!
-------------------
Estas imagens de cortar o coração mostram um cão leal sentado ao lado do corpo de seu dono que morreu após ser atropelado por um trem. A vítima de 57 anos, nomeada como Victor Reyna Vazquez, teria bebido perto dos trilhos do trem quando foi atropelado por um trem e morto nas primeiras horas da manhã.

1/17/2019

Xuxa compartilha vídeo de homem esfaqueando cachorro e revolta internautas

No final da matéria estou colocando as explicações...
-----------
Xuxa Meneghel surpreendeu os seus seguidores nesta terça-feira (15) ao compartilhar um vídeo em que um homem esfaqueia um cachorro.

Engajada na causa de proteção aos animais, Xuxa reagiu ao vídeo na legenda da publicação, indignada com a atitude do homem, que agiu com crueldade.

11/25/2018

Toureiro é chifrado durante uma tourada no México

Bom serviço deste pobre touro que deve ter sido morto logo em seguida da sua bela atitude de furar os "baixos" do toureiro nojento....... Levanta o dedinho quem está com pena do toureiro!!!!! Veja o vídeo.
---------------
Chifre de Bull supostamente rasgou um corte de 10cm de largura em sua pele
Imagens horripilantes capturaram o momento em que um toureiro foi

7/07/2018

Veterinária de Florianópolis representa o Brasil em mutirão internacional de saúde animal

A Dra. Amélia (a esquerda da foto) não é mole não..... no empreendimento destes assuntos é imbatível..... Ótima cirurgiã e muito inquieta com as situações vividas pelos animais. Uma veterinária de mérito!!!! Com ela não tem mau tempo e é uma danadinha em castração.... Parabéns as duas que foram convidadas para a grande maratona.... Espetacular este projeto!!!!!
=============
O projeto reuniu 200 profissionais de todo mundo no México, em programa que se compara ao Médicos Sem Fronteira

A convite dos médicos veterinários, Dr. Jeffrey Young, host do programa Planet Animal e Antônio Rios Perez, pioneiros em métodos modernos de castração, as veterinárias Kátia Chubaci, de Florianópolis, e Amélia Oliveira, de São João Del Rey, Minas Gerais, foram as únicas brasileiras a participar da 9º Maratona Internacional de Castração em Yucatán, no México. Ao todo foram chamados 200 profissionais do mundo – entre Portugal, Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Irlanda, Filipinas, Eslováquia e México – para castrar 3 mil cães e gatos no evento que se compara ao Médicos Sem Fronteiras.

O Planned Pethood International – PPI – liderado pelo Dr. Young, tem como meta contribuir para a diminuição do número de animais em situação de rua, a prevenção de zoonoses, bem como acidentes de trânsito provocados pela presença destes animais nas rodovias. O controle de natalidade animal repercute não apenas na medicina veterinária, mas também na saúde pública do coletivo.

Para Dra. Kátia, participar de um evento deste nível e com este propósito é uma honra e uma imensa oportunidade de trocar conhecimento, habilidades, técnicas, e principalmente por nos mostrar que não estamos sozinhas neste trabalho com os animais. “Esse mutirão serviu de exemplo a ser seguido pelo Brasil por ser perfeitamente viável quando o povo e o governo trabalham unidos. Na abertura deste evento fomos recebidos pelo governador do Estado de Yucatán e seu secretário do meio ambiente, prestigiando e valorizando a causa animal. É disto que estamos falando quando nos referimos a Medicina Veterinária do Coletivo”, afirma.

As veterinárias apresentaram ao Dr. Young e ao Carlos Bolo, organizador do Planned Pethood Internacional, um projeto para trazer o PPI para o Brasil. A ação tem o objetivo de atender a região do Amazonas, que irá abrir portas para outras regiões do país, onde o controle de natalidade não chega. “Tem cidade que pensa em fazer eutanásia de animais saudáveis, construir canil, abrigo como se fosse a solução, mas não é. Felizmente o Dr. Young e o Carlos aceitaram o convite e confirmaram que o PPI virá no próximo ano. Santa Catarina com certeza estará inclusa no programa ”, assegura Dra. Kátia.

De acordo com Dr. Young, o Planned Pethood acontece quando o governo do país oferece um aporte financeiro para a realização dos mutirões. “Por exemplo, eu doei mais de 2 mil fios de sutura que são melhores para os animais. Ou seja, nenhum veterinário que participa de um evento como este ganha dinheiro, pelo contrário perdem dinheiro porque deixam de trabalhar em seus países.  E qualquer doação financeira extra que recebemos vai para futuros mutirões de castrações e esterilizações de animais. Além disso, contamos com a população que oferece hospedagem e alimentação gratuita pelo trabalho que realizamos em suas comunidades. No fim, muitas despesas não cobrem, como gasolina dos translados, bem as cirurgias extras  que fazemos para pessoas pobres que têm animais e que precisam de outras coisas”.

A realização da 9º Maratona Internacional de Castração contou com o aporte  do governo de Yucatán no valor de um milhão e 366 mil Pesos. As três mil castrações impactarão para que cerca de 36 mil outros animais deixem de nascer em apenas um ano. Segundo a American Humane Association, apenas um casal de cães ou gatos e seus descendentes geram ao longo de seis anos, uma média de 73 mil novos filhotes, considerando dois cruzamentos ao ano por cada casal.

FONTE: portaldailha

6/16/2018

EXPLORAÇÃO ANIMAL: As freiras mexicanas estão salvando o axolote da extinção

Pois é, então as freiras vão ajudar a recuperar uma salamandra aquática em extinção só para voltar a fazer xarope delas? hã?..... me tira o tubo!!!!!!!!
------------
Os cientistas consideram o anfíbio um “paradoxo de conservação” e estudam-no sobretudo devido à sua capacidade de regeneração. Há anos que um grupo de freiras os criava e cuidava para utilizar na confecção de um xarope para a tosse, mas agora estão empenhadas em salvá-los da extinção.

O axolote (Ambystoma mexicanum) é uma espécie de salamandra aquática pequena que está em perigo crítico de extinção, mas um grupo de freiras do município mexicano de Pátzcuaro está a ajudar a criar e a devolver alguns destes animais ao seu habitat natural naquela região. A história foi contada na reportagem da BBC “The Sisters of the Sacred Salamander” (As Irmãs da Salamandra Sagrada), transmitida na BBC Radio 4 na semana passada e partilhada no site da BBC a 7 de Junho.

“Sinto que eles precisam do nosso cuidado e protecção. E é precisamente isso que estamos a fazer”, diz à BBC a irmã Ofélia Morales Francisco. Ainda que o apoio das freiras represente um importante contributo para salvar a espécie da extinção, o objectivo inicial não tinha como propósito qualquer esforço de conservação ambiental: há anos que o grupo religioso utiliza estes animais na produção de um famoso xarope para a tosse, uma prática que passou “de geração em geração” — mas a forma como esse remédio é feito (e a maneira como os anfíbios entram na fórmula) não é revelada pelas freiras.

Estes animais aquáticos estão enraizados na cultura do México, havendo quem acredite que tenham poderes curativos. Vivem em lagos de água doce, fundo escuro e vegetação subaquática abundante. Apesar do seu estatuto de conservação, há colónias mantidas em laboratórios científicos com milhares de exemplares.

Com laboratórios dentro do mosteiro, as freiras tornaram-se mestres da criação de axolotes – e agora, em colaboração com o jardim zoológico britânico de Chester, têm um papel importante na devolução de alguns destes animais ao seu habitat natural. “É uma espécie endémica e se não tentarmos salvar a espécie, então perder-se-á na natureza”, resume Ofélia Francisco.

O axolote é um completo paradoxo de conservação. É provavelmente o anfíbio mais espalhado pelo mundo, em laboratórios e lojas de animais, e ainda assim está quase extinto na natureza.
Ricard Griffiths, ecologista

Um artigo publicado na revista científica Nature no final de 2017 mostrava que esta espécie está cada vez mais próxima da extinção. Em 1998, existiam 6000 axolotes por quilómetro quadrado na região mexicana de Xochimilco; dois anos depois, este número tinha baixado para 1000 espécimes por quilómetro quadrado.

Em 2008, dez anos depois, os números eram ainda mais preocupantes: havia apenas 100 axolotes por quilómetro quadrado. Agora, sobretudo por causa da poluição, há menos de 35 destes animais por quilómetro quadrado.

“O axolote é um completo paradoxo de conservação”, diz o ecologista Richard Griffiths, citado no estudo da Nature. “É provavelmente o anfíbio mais espalhado pelo mundo, em laboratórios e lojas de animais, e ainda assim está quase extinto na natureza”. O que traz problemas: como existe uma baixa diversidade genética destes animais, são mais propensos a doenças.

Esta salamandra já tinha sido notícia em Janeiro na altura em que foi descodificado o seu genoma, que pode ser uma importante ferramenta no estudo da regeneração de tecidos, já que  estes animais conseguem regenerar na perfeição os membros e órgãos que perdem, incluindo o cérebro e o coração, mas também os ossos, os músculos e os nervos, que voltam a crescer no sítio certo. Esta capacidade de regeneração é útil tendo em conta que os axolotes são agressivos entre si e podem morder e mutilar partes de outros indivíduos, como se lê na página do Jardim Zoológico de Lisboa.

O anfíbio, que em 2013 foi eleito o terceiro animal mais feio do mundo, é uma espécie de salamandra que não completa a metamorfose, ficando na fase de larva mesmo quando já é adulto. Esta espécie distingue-se das outras salamandras por ter três pares de brânquia externas plumosas nos dois lados da cabeça; ainda que a maior parte dos espécimes tenha pele escura, o albinismo é comum. Têm cerca de 30 centímetros de comprimento e pesam entre 125 a 180 gramas.

Também conhecido como peixe-andarilho, está em perigo crítico de extinção por causa da poluição, diminuição do seu habitat por ocupação humana, comércio ilegal e por ser utilizado na alimentação das populações locais, refere a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

FONTE: publico.pt

5/31/2018

INSANIDADE: O muro de Trump com o México é uma tragédia para animais e plantas

Gente, este Trump é maluco!!!!! como americanos, supostamente inteligentes, elegeram um insano como este? Tenho tanto medo que brasileiros sejam doidos também e elejam o Bolsonaro...... Meu Deus, vou tirar o tubo de vez!!!!!
---------------
O muro de Trump não divide só humanos. É também uma barreira para animais e plantas
É sabido que a Natureza não é o alvo das barreiras políticas. No entanto, com a sua construção, também os animais vão sofrer as suas consequências.

Nos dias que correm, discute-se, do outro lado do mundo, a construção ou não de uma barreira física na fronteira entre os EUA e o México. Alguns dos projectos apresentam muros com fendas para os guardas verem o outro lado. Outros, um topo liso para impossibilitar a amarração de cordas. Uns são de ferro maciço, outros preferem outra constituição.

Independentemente dos seus materiais, os muros são construídos para manter as pessoas longe. Mas o que é que acontece ao mundo natural, quando abraçamos projectos destes?

Actualmente existem cerca de mil quilómetros de barreira física na fronteira EUA-México. Os restantes 2 mil quilómetros livres continuam a permitir a movimentação de várias espécies entre os dois países, com o crescimento de uma grande biodiversidade nestes troços. É exactamente nesta região de fronteira política que se encontra uma grande variedade de anfíbios, répteis e mamíferos que, com os novos desenvolvimentos, se encontra agora ameaçada.

“TERRA DE NINGUÉM”
No caso do Rio Grand Valley, no Texas, a construção prevista de barreiras terá de se desviar da fronteira natural – o rio – para território americano. Significa isto que, todo este novo fortificado vai atravessar várias zonas protegidas, criando quase 6500 hectares de área não acessível por humanos: uma “Terra de ninguém”.

Esta questão coloca um conjunto de problemas muito particular para a movimentação de animais.



CHEIAS
O problema imediato da existência de hectares de “Terra de ninguém” prende-se com as cheias. No Rio Grand Valley existem regiões pantanosas que se enchem com a subida dos níveis de água. Quando isto acontece, répteis e mamíferos têm que se mover para terra segura. Ao criarmos uma barreira impermeável, criamos também uma verdadeira armadilha para estes animais, que ficam encurralados entre o muro e o rio, sem escapatória possível.

REDUÇÃO DA DIVERSIDADE GENÉTICA
A longo prazo, estruturas que limitam a migração de animais, podem levar a consequências muito graves para a sua sobrevivência. Quando uma população é separada por uma barreira física, a sua carga genética é dividida. Este fenómeno leva a uma redução da diversidade genética em cada uma das populações, culminando num aumento da consanguinidade e num elevado risco de extinção da espécie.

E SE EXISTIREM PEQUENAS PASSAGENS AO LONGO DO MURO?
Alguns indivíduos defendem que a construção de muros com pequenas passagens vai permitir que os animais atravessem esta barreira. Contudo, este tipo de projectos não leva em conta o comportamento animal.
Tipicamente, para construir uma barreira é necessário limpar a vegetação da área envolvente por forma a construir estradas onde a brigada fronteiriça possa circular e as “aberturas” são comummente equipadas com equipamentos de iluminação muito forte para facilitar a visualização de humanos que se aproximem. Para animais acostumados a deslocar-se durante a noite, camuflados na vegetação, este tipo de ambiente não é propriamente apelativo.

Os humanos facilmente conseguem descobrir formas de atravessar, pular ou contornar uma fronteira, os animais, por sua vez, não o conseguem. É sabido que a Natureza não é o alvo das barreiras políticas. No entanto, com a sua construção, também os animais vão sofrer as suas


FONTE: shifter.pt

2/17/2018

Mexicanos encontram filhote de tigre em pacote enviado pelo correio

Minha Nossa!!!! outros animais devem ter passado por esta cruel experiência não? poxa, nem o cachorro farejador detectou...
-----------
Funcionários da agência de proteção ambiental do México encontraram um filhote de tigre em uma embalagem enviada pelo correio expresso, na última quarta-feira (7).

O animal estava sedado e dentro de uma caixa de plástico. Ninguém percebeu a presença do animal até que um cão farejador que busca contrabando notou o filhote.

O animal teria sido enviado do Estado de Jalisco, no Oeste do México, e estava endereçado para Queretaro, no Norte.

O animal estava desidratado e foi enviado para um centro de tratamento de animais.

Aparentemente, a documentação do animal estava em ordem, mas o tigre foi apreendido porque o envio por correio constitui maus tratos..

A agência disse que o caso está em investigação.


FONTE: noticias.uol

11/09/2017

Seita dirigida por americano que dissecava animais é desmantelada no México

Gente do Céu, o que eles faziam com os animais? 
------------

O suposto líder americano de uma seita, suas quatro mulheres, uma concubina e outras 21 pessoas, incluindo menores, foram detidos no estado mexicano de Chihuahua durante uma operação derivada da investigação de três assassinatos - informou o Ministério Público regional no domingo.

As detenções aconteceram no município de Cuauhtémoc, um dos mais populosos de Chihuahua, na fronteira com os Estados Unidos. Aparentemente, eles viviam acompanhados de animais mortos, congelados e dissecados.

Orson William Black Jr., "foragido da Justiça americana por crimes sexuais" e apontado como líder da "comuna", entrou no México de forma ilegal e foi capturado em uma ação conjunta efetuada entre sexta-feira e domingo por autoridades mexicanas, pelo FBI e pelo pessoal do Departamento de Estado americano, informou o MP de Chihuahua em um comunicado.

zebra massacrada e congelada

Ao todo, foram detidos 27 americanos "em situação ilegal no México", incluindo as supostas "quatro mulheres e uma concubina" de William Black Jr. nas buscas a três casas e dois ranchos situados em território menonita do município de Cuauhtémoc, de 150.000 habitantes, detalhou o MP em um comunicado.

Nenhum dos capturados é menonita.
- 'Tráfico humano' -

Nesse grupo de detidos, "há menores", disse à AFP o porta-voz do MP, Carlos Huerta, sem dizer quantos, ou sua idade.  Realizada por cerca de 100 policiais, a operação foi produto de uma investigação do Ministério Público de Chihuahua sobre os assassinatos nessa zona de três americanos, de 15, 19 e 23 anos, cometidos em 10 de setembro. William Black Jr. é suspeito de cometer esses crimes. Investiga-se sua "possível autoria", revelou o MP, que o acusa de "tráfico humano".

Um dos elementos que alertaram as autoridades mexicanas foi que nenhum dos jovens assassinados nem as pessoas que foram reclamar seus corpos tinham certidões de nascimento. Orson William Black Jr. "era procurado há 15 anos por crimes de natureza sexual nos Estados Unidos e fugiu para o México", acrescentou o MP. Ele aparece como "foragido" no site do Departamento de Estado americano.

Black Jr. e o demais detidos também foram acusados de crimes contra a biodiversidade, por terem em suas propriedades mais de 50 animais dissecados. Ignora-se para que eram usados. Também foram encontrados "vários animais mortos e congelados" e 12 veículos de diferentes tipos, marcas e modelos, como um trailer com placas de Chihuahua e dos Estados Unidos, concluiu o MP.

FONTE: EM

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪