RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador Luisa Mell. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Luisa Mell. Mostrar todas as postagens

10/04/2018

Instituto Luísa Mell faz campanha para resgatar ursos pardos de zoológico em Canindé

Aos trabalhos, minha gente!!!!! vamos ajudar estes animais!!!!
---------------------
Segundo uma das articuladoras da campanha, os animais não sofrem maus-tratos, mas vivem em local inapropriado. A movimentação tem o intuito de levar os animais para um local mais frio e longe de exposições.

Dois ursos pardos siberianos, o Dimas e a Kátia, estão vivendo no Zoológico São Francisco em Canindé, distante 116 km de Fortaleza. O Instituto Luísa Mell, organização não governamental (ONG) de proteção animal, está se movimentando

8/26/2018

Luisa Mell acredita que luta contra pecuaristas causou sua demissão da Band

Sinceramente? acho que ela tem toda razão.....A Band é uma grande apoiadora da industria da carne e eventos chamados rurais como rodeio e vaquejadas. A emissora dá muito espaço aos ruralistas e recentemente, aos caçadores.... Não ida dar certo.... Pior vai ser encontrar uma emissora que banque nossa causa.....
--------------------
Luisa Mell lançou o seu novo livro, “Como os Animais Salvaram Minha Vida” e revelou detalhes sobre como a sua

8/09/2018

Luísa Mell desabafa: "Fui demitida da Band antes do meu programa começar"

A apresentadora e ativista das causas animais Luísa Mell utilizou o seu perfil do Instagram nesta segunda-feira (30) para falar a respeito de sua demissão da Band : “Fui demitida da Band antes mesmo de gravar o piloto do programa”, afirmou.

Luísa Mell usou o Instagram para desabafar sobre seu novo programa na Band que foi cancelado antes de gravar o piloto

8/02/2018

Luisa Mell é condenada a pagar R$ 60 mil de indenização a tutora de cachorros resgatados

Que meleca! tomara que ela se saia bem.... E olha que ela entrou com a polícia na casa da mulher.... tem alguma coisa errada neste processo.....
--------------------
Apresentadora chamou decisão de injusta e disse vai recorrer
A apresentadora Luisa Mell, 39, uma das principais ativistas dos direitos dos animais no país, foi condenada em primeira instância a pagar R$ 60 mil para

8/01/2018

Demissão relâmpago: Luisa Mell perde programa antes mesmo de começar a gravá-lo

É o preço do ativismo.... pena....
------------------
Luisa Mell estava pronta para fazer seu retorno à televisão brasileira, após receber um convite da Band TV para apresentar um programa voltado ao mundo animal, mas acabou pega de surpresa nesta segunda-feira, 30, com uma má notícia. 

7/15/2018

Esposa de barão do agronegócio ameaça ativista dos direitos dos animais Luisa Mell

Gente, olha que absurdo!!!!! mas, é assim que funciona a cabeça destes abutres da causa animal.....
-----------
Ativista dos direitos dos animais, a apresentadora Luisa Mell tem recebido várias ameaças após intensificar sua militância contra o transporte de bois vivos enviados em navios a partir do Brasil para serem abatidos em outros países.

7/12/2018

Pecuaristas tentam convencer à ativista que está errada quanto ao transporte de gado vivo

Gente, estes camaradas são abusados e atrevidos.... Mas, a Mell respondeu bem e fez eles parecerem uns abutres..... 
=============
Pecuaristas tentam convencer Luisa Mell de que os animais não sofrem no transporte em navios
Durante uma das muitas visitas que a ativista Luisa Mell fez à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) nos últimos dias,

5/08/2018

RESGATE: Luisa Mell resgata mais de 60 animais em casa de idosa

Minha Nossa!!!!!!! Ainda bem que a Luisa Mell está podendo fazer este trabalho.... Vejam os vídeos que ela publicou AQUI
------------------
Ativista contou que os gatos e cães viviam em um ambiente insalubre; 90 gatos morreram no local na semana passada
Luisa Mell fez um novo resgate de animais nesta segunda-feira (7). A ativista disse que foi chamada por uma investigadora da polícia para libertar 50 gatos e 13 cachorros que viviam em péssimas condições de higiene e saúde. 

Nas redes sociais, Luisa fez vídeos para mostrar a situação da casa de uma senhora onde os animais estavam. Na tentativa de ajudar os bichos abandonados, a idosa, que tem transtornos, acabou perdendo o controle por não ter estrutura para cuidar dos cães e gatos.

Luisa afirmou que por conta da falta de alimentação, alguns gatos chegaram a comer os filhotes que estavam na casa. Além disso, na última semana 90 gatos morreram no local. A ativista reforçou a gravidade do caso.

— As pessoas precisam entender que isso não é ajudar, não é proteção animal. E ela não faz por mal, porque é uma doença, ela está sendo tratada. Mas os animais não têm culpa de que a pessoa é doente. É pior pra eles estar lá do que na rua, porque na rua eles têm alguma chance. Eles estavam presos em um ambiente totalmente contaminado, sem comida, sem água limpa, sem medicação. Por isso que eu não resgato todo mundo, senão ia acontecer isso, não tem como. 

Os animais foram levados para o Instituto Luisa Mell onde vão passar por uma bateria de exames para avaliar as condições de saúde, mas a ativista adiantou que muitos deles têm problema respiratórios e estão desidratados.

No último fim de semana, Luisa fez uma feira de adoção em São Paulo e conseguiu liberar espaço no instituto para ajudar outros bichinhos. 

Fonte: R7

4/11/2018

Luisa Mell divulga vídeo de mulher matando um cachorro e pede ajuda para encontrá-la

ATUALIZAÇÃO às 19:40. A criminosa infeliz foi pega e prestou depoimento:
Vídeo flagra mulher matando cachorra a golpes de enxada no PA

======================================

Meu Deus!!!!! que mulher maldita.... que coragem.... tinha que sofrer do mesmo jeito que fez sofrer o pobre animal.... Divulguem, minha gente!!!! quem sabe encontramos a  mulambenta?
------------
LUISA MELL BUSCA AJUDA PARA IDENTIFICAR MULHER QUE ESPANCOU CACHORRO ATÉ A MORTE
Mesmo de férias na Itália, Luisa Mell não abandona a luta contra os maus-tratos aos animais. Nessa terça-feira, ela divulgou um vídeo em que uma mulher aparece dando pauladas em um cachorro, que - infelizmente - não sobreviveu. A ativista procura ajuda para identificar e punir a agressora.

Na postagem, ela escreveu: "Desculpem o vídeo terrível... mas precisamos punir esta criminosa! É no Brasil! O cachorro morreu. Agora temos que encontrá-la! Polícia! Deputados da causa animal! Conto com vocês!". As imagens são fortes:


Recentemente, Luisa participou de um resgate de bichos mantidos em cativeiro para cruzamento. O canil clandestino ficava na Zona Leste de São Paulo. Com a ajuda da polícia, sua equipe encontrou dezenas de cachorros e animais silvestres, que viviam em péssimas condições de saúde e higiene.

Fonte: EXTRA

3/29/2018

Luisa Mell fez outro resgate: mais de 100 animais em situação revoltante

Minha Nossa dos Exploradores de Animais, dá uma rabiada ferrada nesta criadora dos capetas!!!!! Olha a situação dos animais explorados por esta bandida!!!!! Só as imagens podem explicar nossa revolta!!!!!
--------------
Luisa Mell participa do resgate de animais 
Que cena horrível! Luisa Mell participou, nesta quarta-feira (28), do resgate de mais de 100 animais em péssimas condições de higiene e saúde em um canil clandestino na Vila Jacuí, na zona leste de São Paulo. Chamada pela Polícia Militar, já que coordena um Instituto que atua no resgate, recuperação e adoção de animais feridos ou em risco, ela divulgou toda a operação de salvamento nas redes sociais.

“Gente, socorro!!! Acabamos de estourar mais um canil. Outro show de horrores. Uma centena de animais e aves vivendo nessas condições! Não sei mais o que fazer, sério”, pediu a ativista em post do Instagram. Como ela mostra, os bichinhos estavam vivendo em situação absurda: cachorros dentro de pequenas gaiolas, gavetas, aquários e até em caixotes de plástico.

Além de cães das raças buldogue, maltês, yorkshire, foram encontrados vira-latas, araras, gatos e papagaios. “Isso é tráfico de animais, isso é crime sério”, diz Luisa em um dos stories. Os vídeos – chocantes – mostram, também, cachorros com a orelha sangrando, cheios de feridas e vivendo no meio de muita sujeira. Em outro momento, ela desabafa: “Vocês acham que é justo ficar comprando filhotes?” Emocionada, ela pediu muita ajuda e doações: o Instituto Luisa Mell se comprometeu a levar todos os animais para cuidados médicos. Quer ajudar? Luisa divulgou os dados para doações:

Bradesco AG 1974-7 CC 288-7
Itau AG 0772 CC 09021-3
Banco do Brasil AG 1817-1 CC 120.000-3

Não é a primeira vez
Vale lembrar, em setembro do ano passado, a ativista já havia feito outro resgate do tipo. Na época, foram 135 cachorros salvos pelo Instituto Luisa Mell de um canil certificado em Osasco, região metropolitana de São Paulo. Posteriormente, ela publicou um vídeo mostrando como os cães estavam livres dos maus-tratos e vivendo em condições dignas.

Fonte: MSN

3/13/2018

'Para as pessoas eu sou a chata, sou a louca', diz ativista Luisa Mell sobre defesa dos animais

A matéria fala o que acontece, exatamente: uns adoram Luisa Mell e outros a odeiam..... O preço que se paga para  representar uma causa, seja lá qual for, é sempre muito caro. Em proporção bem menor, claro, passei por tal situação. Durante algum tempo vivi na mídia e realizei muitas ações a favor dos animais. Eu era odiada pela própria proteção animal a ponto de roubarem tudo que eu realizei e que foi jogado fora por pura incompetência das pessoas que me roubaram.... Só posso dizer que não é mole..... é uma cobrança inadmissível já que todos deveriam lutar pela causa, cada um em sua  possibilidade, certo?
--------------
Luisa Mell, 39, ainda se emociona ao falar de bichos, sejam os maltratados, os abandonados, os resgatados ou os adotados. Mas muito mudou desde que seu programa "Late Show", exibido durante seis anos na Rede TV!, foi encerrado em 2008. Afastar-se da televisão --onde ficou conhecida pelas denúncias e pelo choro fácil nas tardes de domingo-- fez com que se aproximasse do ativismo, tornando-se hoje um dos principais rostos da causa contra os maus-tratos de animais no Brasil."Sou a ativista [de defesa animal] mais famosa do país. Para o bem e para o mal. Recebo aplausos por algo que muito mais gente realizou, mas também fica nas minhas costas quando querem apedrejar, perseguir, processar"

Algumas coisas continuam iguais. Ao expor --agora não em uma rede de TV, mas nas redes sociais-- canis, institutos de pesquisa, embarcações de carga viva, a origem das plumas usadas no Carnaval e exposições de animais, entre outros casos, Luisa se mantém envolvida em polêmicas, gerando opiniões e sentimentos extremistas em relação a ela e àquilo que defende. Alguns a idolatram. A cantora Rita Lee, que sobe a voz ao falar de rodeios, descreve Luisa como "nossa Brigitte Bardot tropical: bela, inteligente e amante dos bichos" e "moderna princesa Isabel dos animais".

Outros a desmerecem. Para isso, evocam a imagem de chorona ou adotam o tom de "não faz mais que a obrigação", por ser considerada rica, famosa e ter privilégios em sua trajetória. Entre eles o namoro de cinco anos com Amilcare Dallevo, coproprietário e chefão da Rede TV!, que permitiu a uma jovem de 20 e poucos anos dar o tom de seu próprio programa, durante uma "guerra" da TV aberta aos domingos. Por fim, há a turma dos xingamentos e, em casos ainda mais extremos, das ameaças.
"É muito difícil ser ativista, porque você enxerga o mundo de maneira totalmente diferente. Para as pessoas eu sou a chata, sou a louca. Mas o mundo muda muito lentamente para o ativista: quem sofre [os animais] tem pressa"

Em entrevista ao UOL, ela falou abertamente sobre esses temas e sobre a sua vida de ativista. Antes de entrar nessa história --e para saber de quem realmente estamos falando--, deixemos claros dois pontos.

Primeiro: o Instituto Luisa Mell não leva seu nome de batismo (Marina Zatz de Camargo), mas sim o artístico, criado em 2001. O intuito do pseudônimo era não se queimar com um quadro no programa de sexo "Noite Afora". O segundo ponto, em suas próprias palavras: "Muita gente ainda acha que sou apresentadora, mesmo estando afastada da TV há anos. Meu trabalho vai muito além disso hoje em dia. Sou ativista, sou protetora dos animais, sou presidente do instituto", explica ela, formada em direito. Dito isso, vamos em frente. "Vivemos em um mundo onde os animais são escravos, são vistos como objetos com os quais se pode fazer qualquer coisa. Eles são massacrados em nome do entretenimento, da comida, da indústria de vestuário, médica, de cosméticos "

Esfregando os maus-tratos animais na sua cara
Luisa Mell recebeu a reportagem em seu instituto numa tarde chuvosa, no começo de março. Tênis, regata e calça jeans davam o tom despojado, mesmo com maquiagem e cabelo arrumado. Levou aos voluntários e funcionários duas caixas de doces veganos --dieta seguida por ela desde 2013--, que havia servido no aniversário de três anos de Enzo, seu filho com o empresário Gilberto Zaborowsky, com quem se casou em 2011.

Levou também para eles exemplares de sua autobiografia "Como os Animais Salvaram Minha Vida" (Globo Livros), fazendo dedicatória a quem pediu, e insistiu que todos fossem à noite de autógrafos dali a alguns dias. Orgulha-se ao apresentar o local, dando detalhes sobre as instalações, os tratamentos oferecidos e os animais por lá instalados --ela sabe os nomes de muitos e também as histórias de maus-tratos que os levaram até ali.

Em duas horas de conversa, Luisa se emocionou algumas vezes. Poucas. No geral, o que se vê é uma mulher firme, com objetivos definidos, que usa todas as oportunidades --surgidas ao acaso ou mesmo criadas por ela-- para defender a causa na qual acredita.

Exemplo disso é o que fez à frente do "Late Show", programa idealizado por seu pai, redator e roteirista de TV, e exibido na emissora do então namorado.

"Viram ali uma oportunidade comercial. O mercado pet crescia muito no Brasil, então a atração poderia ter bons anunciantes", explica em seu livro. O projeto inicial propunha abordar a relação dos homens com os animais e levantar a bandeira dos vira-latas, mas não previa, da maneira enfática como foi feita, chamar a atenção para os maus-tratos --causa com a qual Luisa ainda estava pouco familiarizada. Conforme foi conhecendo este universo, achou que o caminho era falar sobre o problema. "Eu conseguia fazer coisas absurdas, que nenhuma emissora permitiria", lembra. "Eu acreditava que era importante esfregar aquilo na cara das pessoas e não me envergonho nem um pouco de ter usado isso [os privilégios de primeira-dama do canal de TV] pelos animais"

O novo status do vira-lata
A projeção trouxe polêmica, brigas --"tem gente que quer eu eu morra, suma do mapa"--, algumas vitórias e outras tantas derrotas. "Luto por muitas causas, a maioria eu perco [como o embarque em Santos de 25 mil bois vivos para a Turquia], mas posso dizer que a da adoção é uma conquista de vida. Quando adotei minha primeira vira-lata, antes do programa, saía na rua e as pessoas praticamente me xingavam. Hoje ninguém mais tem coragem de fazer isso", conta ela, que divide a casa com dois cachorros adotados.

Nessa trajetória, reconhece como principal erro a forma com a qual tentava impor sua opinião. "Eu era muito impulsiva, agressiva, brigava e não entendia como as pessoas não entendiam o que eu queria falar. Vou fazer um programa para salvar os animais e colocar um macaco fantasiado no palco? Eu era grossa, não tinha tato." Hoje se diz mais tolerante, reconhece que a mudança pode ser lenta e cada um tem seu tempo. "Até outro dia eu fazia tudo errado, até mesmo essas coisas que eu condeno hoje", diz.

A adoção e mudança no status do vira-lata --associadas ao boicote de canis que lucram com venda de animais de raça-- estão entre suas principais bandeiras, assim como a proibição de animais de circo (ainda sem lei específica) e o fim da eutanásia para animais sadios no Estado de São Paulo. "Sou ativista em todos os momentos, todos os lugares, todas as situações. Para se tornar um ativista, é só começar. O primeiro passo é você sentir, se indignar, saber que pode começar sendo a mudança. O ativista faz qualquer coisa para mudar uma situação"

O resultado mais concreto disso --aqui no sentido literal-- foi a criação, em 2015, de um instituto na Grande São Paulo para resgate de animais feridos ou em situação de risco, que são recuperados e adotados. Até o início de março, 2.094 cães e gatos haviam sido doados, principalmente via feiras de adoção.

O terreno com 27 mil metros quadrados de área verde tem hospital veterinário, enfermaria, ala de quarentena, espaço de soltura (para os bichos passearem livres), gatis e canis. A ocupação fica na média dos 350 bichos, e o intuito é não crescer mais que isso por causa dos gastos: além da estrutura, há seis veterinários, sete enfermeiros e nove tratadores. 

O terreno foi emprestado, durante um período dez anos, por uma conhecida de Luisa. Tudo lá é financiado com doações e vendas online de camisetas, principalmente aquelas com a mensagem #adotei (marca que remete ao instituto). "A gente só consegue manter isso porque as pessoas confiam em nosso trabalho e ajudam."

Questionada sobre como se mantém, considerando que sua principal atividade é o ativismo, ela responde: "As contas bancárias são totalmente separadas. Uma é a do instituto, outra é a da Luisa Mell. Não pego R$ 1, assim como toda a diretoria, formada por voluntários que têm outras ocupações. Tenho em meu nome dois escritórios alugados e um marido com boa condição financeira, que sustenta nossa casa. Não tenho a menor vergonha de dizer isso, porque ele respeita muito o meu trabalho".

Ativista com cara, nome e sobrenome
A mesma fama que ajuda a encontrar donos para os animais faz com que os pedidos de ajuda não parem de chegar. "As pessoas veem um cachorro na rua e ligam para mim, descobrem meu celular, mandam email. Chega tanta coisa que não consigo dar conta e muitos ficam frustrados comigo. Como temos o hospital, nossa prioridade é pegar os bichos em pior estado", explica.

Os casos mais polêmicos em que se envolveu foram o resgate de beagles usados para testes no Instituto Royal, em São Roque (SP), e de 135 cachorros de diferentes raças, em um canil de Osasco (SP) --nos dois casos, todos os sobreviventes foram adotados.

Diz não se arrepender de nenhuma das invasões, a segunda delas feita com ajuda da polícia, e afirma que os episódios chamaram a atenção para diferentes temas: testes em animais e maus-tratos em canis. Inclusive a cadelas chamadas de matrizes, que passam a vida dando à luz filhotes para comercialização.

"No caso do Royal [fechado após a invasão], tive de ir à delegacia prestar depoimento, mas a história não foi para a frente: tinha muito rolo ali. Já o dono do canil não me processou, mas muitos dos criadores se sentiram ameaçados com a revelação dos bastidores de seu negócio. Toda vez que acontece algo assim, as pessoas atingidas me xingam, fazem campanha, tentam me difamar, inventam coisas sobre mim."

Luisa diz ter diversos processos e também medo de alguma represália, justamente por ser conhecida: um alvo mais fácil. Ela lembra que, na invasão do Instituto Royal, queria voltar e pegar mais beagles quando foi advertida por um amigo: "Ninguém aqui é famoso, não dá para saber seus nomes. Você é a única ativista com cara, nome e sobrenome. Vai embora".

Muitas vezes suas ações têm ajuda da polícia e dos órgãos como Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e polícia ambiental --estes dois foram com ela ao shopping Eldorado (SP), no final de fevereiro, após denúncias de maus-tratos de quatro corujas na exposição "Casa dos Bruxos", em homenagem à saga Harry Potter.

"Antes eu tivesse esse poder que as pessoas atribuem a mim: de conseguir acabar com algo que eu não concordo. Mas eu não tenho. Existe uma legislação, uma Constituição e temos de fazer valer as leis. Chamei os órgãos responsáveis e, como estavam irregulares, a exposição teve de deixar de usar as corujas." Segundo ela, em muitos casos a própria polícia aciona o instituto por não ter o que fazer com os animais em situações de risco. "Fazemos um trabalho que o Estado é incompetente para fazer, pois não há estrutura para eles resgatarem e cuidarem de bichos. Há situações em que fazemos parceria: a polícia faz o trabalho dela e nós ficamos responsáveis pelos animais resgatados"

Em ano de eleição, o final da entrevista ficou reservado para a pergunta sobre a possibilidade de ela se candidatar. Caso isso venha a acontecer, não deve ser em 2018. "Seu eu entrasse para a política e conseguisse mudar tudo o que quero, entraria amanhã. Mas não é por aí. Então sou mais eficiente fora, cobrando quem está dentro. Funciona melhor, acho que é este o meu caminho."

FONTE: Uol

2/14/2018

Criticada por passista, Luisa Mell afirma defender animais da 'vaidade humana'

Ué, ela teria que ficar calada? eu hein..... ela já se posicionou outras vezes e porque seria processada desta vez?
-------------
Como ativista, Luisa Mell, 39, se posiciona contra o uso de penas de animais no Carnaval. Na noite deste sábado (10), a apresentadora questionou a fantasia da madrinha de bateria da Unidos de Vila Maria, Ana Beatriz Godói, feita com 3.800 penas de faisão. "Deixem os animais em paz", escreveu Mell em sua conta no Instagram. A passista se sentiu ofendida e relatou ter sofrido um linchamento virtual, dizendo que entrará com medidas legais contra a ativista.

À reportagem, Luisa disse que publicou sua opinião e quis fazer com que as pessoas pensassem a respeito. "Mesmo se couber [medida legal], eu não me intimido em defender um ser inocente da vaidade humana. Conheço esse mercado de perto. Essa é a minha realidade, sou uma ativista. Levo a vida dos animais muito a sério e tentei mostrar isso para o meu público", comentou.

Para ela, a festa também é o momento ideal para repensar alguns hábitos, já que se fala constantemente de sustentabilidade e reciclagem. "É justo a sociedade massacrar os animais sendo que a gente tem materiais alternativos?", comentou. Mell explica que o processo de retirada das penas acontece com o animal ainda vivo, amarrado pelo pescoço e patas.

"Este procedimento causa muito sofrimento, muita dor e deixa as aves expostas ao sol e a infecções graves. Nessa luta, muitas acabam com fraturas. É uma coisa extremamente cruel e desnecessária", comentou. Ela ressalta que, para ter uma fantasia bonita, não é necessário maltratar muitos animais.

"Este ano a Sabrina Sato desfilou em São Paulo e no Rio sem nenhuma pena e mais linda do que nunca", disse. Fã da Águias de Ouro, Mell acrescenta que ficou extremamente feliz ao ver o desfile da escola neste domingo (12). "Desfilamos sem penas, sem plumas. A gente vem buscando um mundo melhor. Estamos num momento de sustentabilidade, e a gente fala muito sobre isso", comentou.

Ela relembra que as 3.800 penas utilizadas pela madrinha da bateria custaram cerca de três carros. "O valor deveria ser o contrário: quantos animais sofreram? Isso vale para você aparecer e estar ali? Existem outras maneiras de aparecer no Carnaval", disse, acrescentando que as penas artificiais, além de mais baratas, são tão bonitas quanto.

Para criticar a ativista, a madrinha da Unidos de Vila Maria compartilhou uma imagem em que Luisa aparece no seu primeiro desfile pela Vila Maria, em 2003, com uma fantasia de penas. "Há quase 20 anos atrás eu não sabia. Assim que eu soube comecei uma luta. Primeiro com as minhas fantasias e depois conscientizei uma escola inteira", se defendeu a ativista. Na época, Luisa conta que ainda não era vegetariana, mas ficou horrorizada com o processo. "Assim que chegou para mim a informação, eu já me recusei. No ano seguinte não desfilei com penas."

Fonte: Yahoo

1/25/2018

Luisa Mell divulga capa de seu livro, "Como os Animais Salvaram Minha Vida"

Luisa Mell divulgou em seu Instagram nesta segunda-feira (22) a capa de seu livro, "Como os Animais Salvaram Minha Vida", que será lançado em março. A obra, uma autobiografia, contará a luta da apresentadora pelos direitos dos animais, além de detalhes de sua vida pessoal e sua passagem pela televisão.

"É com muita emoção que mostro para vocês a capa do meu livro!!! Abri meu coração e minha vida! Em breve a pré-venda! Dia 19 de março o lançamento em São Paulo e 20 de março no Rio de Janeiro", disse ela.

O amor de Luisa pelos animais contagiou alguns famosos. Tanto que  Anitta recorreu à ela, quando anotou dois cães. Na semana seguinte, foi a vez de Larissa Manoela se declarar para Vitória Regina, a cachorrinha que adotou em uma feira de adoção em São Paulo promovida pelo Instituto Luisa Mell.

FONTE: Uol

1/22/2018

Larissa Manoela faz boa ação e adota cachorrinho de instituto

Acho muito legal!!!!! personalidades com muitos seguidores fazem um bem enorme dando este ememplo
-----------------

A atriz Larissa Manoela vem se mostrando bastante engajada em causas sociais, como cuidado com os animais. E para estimular a adoção dos bichinhos, a jovem foi até o Instituto Luisa Mell, e adotou uma cachorrinha.

Luisa Mell agradeceu e comemorou a adoção no Instagram: “Olhem que presente! Larissa Manoela veio aqui e adotou nossa Vitória Regina, nossa linda vira-lata adulta!! Que exemplo para milhões e milhões de adolescentes”, escreveu Luisa.

Os seguidores da apresentadora comemoraram com ela a boa ação da atriz. “Essa menina tem um grande coração, parabéns“, disse uma internauta. “Meus parabéns, ótima ação”, comentou outra.


A atriz do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) Larissa Manoela curtiu a noite do último sábado (13) ao lado do namorado, Léo Cidade, em teatro.

A atriz mirim esteve no Citibank Hall, em São Paulo, para assistir ao espetáculo argentino Fuerza Bruta, que se propõe a promover uma experiência sensorial imersiva do público a partir de uma mistura de música, dança, efeitos visuais e acrobacias que ocorre em uma arena montada em 360°.

O jovem mora no Rio de Janeiro, mas está na capital paulista para ficar juntinho da nova namorada.

O romance dos dois já dura um mês. Nas redes sociais, eles vivem trocando palavras de amor, como informa O Fuxico.

Além deles, várias outras celebridades, como Bárbara Evans, Priscila Sol, Lucy Ramos, Thaís Pacholek, Mari Palma, Phelipe Siani, Aline Wirley, Chris Flores, Juju Salimeni e o marido, Felipe Franco, também curtiram a apresentação do grupo.

FONTE: otvfoco

1/14/2018

Anitta adota cães resgatados por Luisa Mell: "Ela é o máximo"

Acho que estas ações são positivas para a promoção dos animais na sociedade..... Anitta tem milhares de fãs e quem sabe resolvem a ter uma atitude nobre como esta, né mesmo?
-------
Cantora desistiu de comprar um cachorro de raça para adotar um vira-lata
Além de arrasar nas paradas de sucesso, Anitta mostrou que também se preocupa com a causa animal. A cantora adotou dois cães vira-latas resgatados por Luisa Mell, neste sábado (13).

Em conversa com QUEM, a apresentadora contou que a diva a procurou por meio de uma rede social para manifestar o seu desejo de ter um bichinho de estimação.

"Que felicidade. Ela é o máximo. Ela me chamou no Instagram falando que ia comprar um cachorro de raça, mas passou a me seguir e viu o trabalho que faço com os animais vítimas de abandono e maus tratos. Ela mandou a foto de um que eu tinha postado que ela queria, mas já tinha sido adotado. Eu combinei de ir no hotel e levar quatro para escolher um e ela acabou ficando tão encantada com eles e decidiu ficar com dois", comemora Luisa.

Anitta já escolheu até os nomes para os animais.
O branquinho se chama Serafim e o malhado Tobias, nome escolhido pelo marido, Thiago Magalhães, que gostou de um terceiro cão, não escolhido pela mulher.

O animal que o empresário gostou e outros estarão disponíveis em uma feira de adoção promovida por Luiza, no Morumbi Shopping, no dia 20 de janeiro, das 10h às 18h.

Fonte: Revista Quem

12/26/2017

Justiça concede a Luisa Mell a guarda dos cães resgatados do “canil dos horrores” em Osasco

Mais do que justo, né? o bom é que rapidinho serão adotados....
--------------------
A juíza Ana Paula Achoa Mezher, da 2º Vara Criminal de Osasco, deferiu o pedido de guarda definitiva feita pelo Instituto Luisa Mell para os 135 cães resgatados do “canil dos horrores”, no Jardim Adalgisa, onde eles sofriam diversos maus tratos.

O Instituto agora tem a guarda definitiva dos animais e liberação para o descarte de corpos dos animais que não puderam ser salvos. Os animais foram resgatados no final de setembro. Muitos estavam feridos, confinados em cômodos sujos de urina e fezes. Alguns tinham ossos quebrados e estavam cegos. O objetivo do canil seria utilizar os animais para reprodução, para vender os filhotes.

“Agradecemos a todos que nos apoiaram e ajudaram em todo esse tempo. Para esses pobres cãezinhos, vítimas do canil, o pesadelo está, finalmente, chegando ao fim! No dia 20 de janeiro, faremos nosso primeiro evento de adoção de 2018 no MorumbiShopping, onde teremos uma parte deles para adoção, junto com outros de nossos resgatados”, postou o Instituto Luisa Mell nas redes sociais.

FONTE: visaooeste

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪