RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

Mostrando postagens com marcador Curitiba. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Curitiba. Mostrar todas as postagens

3/16/2019

Fiscalização apreende cão vítima de maus-tratos - Curitiba, PR


Tem gente que negligencia os filhos, imagina o pobre animal jogado no quintal..... Existem humanos desprezíveis....
---------------
Um cão que vivia acorrentado no meio do lixo e era vítima de maus-tratos em uma casa do bairro Fazendinha foi apreendido em ação de fiscalização conjunta da Rede de Proteção Animal da Prefeitura de Curitiba e da Delegacia de Proteção

12/07/2018

Em votação no Facebook, prefeitura libera entrada de cães e gatos em novo parque

Finalmente uma decisão civilizada....
-----------
"População de Pinhais, na região de Curitiba, decidiu pela entrada de cachorros e gatos no recém-inaugurado Parque das Águas"

Parque das Águas vai permitir a entrada de animais de estimação, em especial cães e gatos. A decisão foi tomada após consulta pública no Facebook da prefeitura da Região Metropolitana de

10/13/2018

Homem mantinha aves, macacos e iguanas em situação de maus-tratos em Curitiba. Multa é pesada!

Todo dia temos notícias a respeito de prisão de traficantes de animais silvestres..... Minha Santa o que será destes bichos?
---------------
Ao chegarem para confirmar uma denúncia, numa casa do bairro Boqueirão, em Curitiba, policiais do Batalhão de Polícia Ambiental (Força Verde) até se impressionaram com o tamanho da apreensão. Ao todo, 132 pássaros, 17

10/06/2018

Dia de São Francisco de Assis, dia de benzer os animais - Curitiba

Dentre os inúmeros vídeos e matérias sobre a Benção dos Animais, selecionei estas imagens em homenagem a todos os protetores que tanto trabalham pelos nossos amados bichos.... Axé para todos!!!!!! Que o santo amado Francisco de Assis esteja sempre em guarda de todos.... Olha aí ao lado a fofurinha que foi tomar benção.... lindo demais!!!!!

7/24/2018

Cachorro embarca em ligeirinho, passeia pelo Centro e volta com o mesmo ônibus

Eitcha que Pitoko é bom de faro mesmo.... Mesmo meio cego, voltou. Danadinho!!!! Tudo por causa dos malditos fogos!!!!! 
-------------
Pequeno passeio do fura-catraca mobilizou protetores neste fim de semana
O sumiço de um cachorro movimentou o terminal do Barreirinha domingo (15). Pitoko, um dos três vira-latas que vive no terminal e que perdeu a visão de um dos olhos anos atrás, se assustou com o barulho dos fogos de artifício da final da

7/21/2018

Atividades estimulam animais do zôo - Curitiba

Claro que todos nós somos contra ver animais presos em zoológicos do mundo inteiro. Mas, é preciso falar e acompanhar o que acontece nestes locais. No momento existe uma preocupação grande dos profissionais que trabalham com estes animais enjaulados que é o enriquecimento dos ambientes. Este enriquecimento promove atividades para os animais para amenizar sua prisão.

6/01/2018

FIDELIDADE: Cão vela companheiro morto por 16 horas em rodovia

O que revolta qualquer um é saber que levaram o cão morto e deixaram o outro lá sem rumo na vida..... Eita, que as pessoas precisam aprender muito o sentimento dos animais..... Que os anjos tenham feito ele encontrar o rumo de casa.....
---------------- 
Cão vela companheiro morto por 16 horas em rodovia da Grande Curitiba
O “melhor amigo do homem” segue dando exemplos de que muitas vezes é mais “humano” – nem sei se é a vontade deles – que muito de seus donos ou tutores. Na manhã desta quarta-feira (30), uma cena curiosa chamou a atenção do policial militar Danilo Strugala, quando ele seguia para o trabalho. Por volta das 6h30 um cachorro preto, sem raça definida (o nosso bom e velho vira-latas) velava fielmente um outro cachorro, de pelagem clara, que havia sido atropelado.

Não se sabe as circunstâncias e nem o horário do acidente, mas a lealdade com que um animal demonstrou ao outro chamou a atenção. Esse é um comportamento típico dos cachorros, mas quando a cena está diante dos nossos olhos a força do gesto chama mais atenção.

O corpo do cachorro estava na pista de rolagem, sentido Araucária/Contenda, próximo à ponte sobre o Rio Iguaçu. “Estava indo pro serviço e encontrei os dois ali, um do lado do outro. Uma hora depois retornei e estavam no mesmo lugar. Tirei foto e postei no Facebook. Um colega comentou que eles estavam ali desde as 20h de terça-feira”, comentou o PM

Preocupados com a segurança do outro bichinho, Danilo puxou o animal morto para o acostamento e o fiel companheiro seguiu no local. Segundo informações do próprio PM, a concessionária que administra o trecho foi acionada e apenas as 12h30 o cachorro foi retirado do local. O outro animal, amigo saudoso, ainda ficou no local.

Fonte: TribunaPR

3/18/2018

Casa noturna que exibiu animais silvestres em festa é notificada

Foram notificados e pronto..... Que horror!!!!! Consegui dar uma clareada no vídeo porque o original estava muito escuro....
----------
Os responsáveis devem prestar esclarecimentos sobre o caso.
A casa noturna que exibiu um tigre e uma jiboia durante uma festa foi notificada por fiscais da Rede de Proteção Animal da Prefeitura de Curitiba. Os responsáveis devem prestar esclarecimentos sobre o caso.

Nos próximos dias, eles devem depor na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente. A Promotoria de Proteção ao Meio Ambiente, do Ministério Público do Paraná (MP-PR), investiga o caso.

O MP-PR requisitou informações junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e ao Batalhão Ambiental da Polícia Militar para verificar a situação. De acordo com o Ministério Público, se comprovada a presença dos animais, a casa noturna pode responder por crime ambiental.

O caso foi denunciado por um ativista da proteção animal, depois que pessoas que estiveram na festa na madrugada de sábado (11) para domingo (12) se manifestaram.

O uso de câmeras dentro do estabelecimento é restrito, mas mesmo assim fotos de pessoas interagindo com um dos animais circularam pelas redes sociais. A reportagem da Band News FM também teve acesso a um vídeo que mostra o momento em que o tigre é revelado aos participantes da festa. O animal está dentro de uma jaula, cercada por tochas de fogo. Ele ruge, mas não se levanta.

Uma mulher que estava no local afirma que o animal parecia estar dopado. “O animal não se manifestava de nenhuma forma, e o som era muito forte. Eu tenho gatos em casa, qualquer pessoa que tenha um gato sabe que o animal não fica no meio de gente estranha, com barulho, com uma atividade forte, tão tranquilo e ele estava muito apático”, contou.

Em Curitiba a utilização e apresentação de animais em “circos, espetáculos e assemelhados” é proibida desde 2007. O estabelecimento que descumprir a norma pode ter a licença de funcionamento cancelada e pagar multa de R$ 3 mil.

A situação pode se enquadrar ainda em um caso de maus-tratos, considerando o ambiente inadequado a que os animais foram submetidos, com pena prevista em uma lei federal, que vai de três meses a um ano de detenção. A empresa ainda não se manifestou sobre o caso.

FONTE: paranaportal

2/25/2018

Polícia investiga maus tratos a cachorros em pet shop de Curitiba

O advogado do pet tem o desplante de dizer que as imagens foram montadas..... hã?
----------
Cenas foram gravadas pelo circuito interno estabelecimento, gerando muita revolta nas mídias sociais. Advogado do suspeito diz que imagens foram montadas e obtidas de formas ilegais

Um pet shop do bairro Boa Vista, em Curitiba, é suspeito de maltratar animais durante o banho e tosa. Imagens das agressões foram divulgadas nas redes sociais quinta-feira (22) e indignaram internautas. O proprietário do estabelecimento foi filmado nos vídeos e a Delegacia do Meio Ambiente (DMA), da Polícia Civil, investiga o caso.


No vídeo, gravado pelo circuito interno do estabelecimento em diferentes salas do pet shop, é possível ver um homem dando tapas e socos nos cães e usando força para contê-los. Em um dos vídeos, um cachorro leva um chute.

Até a manhã desta sexta-feira (23), uma das postagens no Facebook já contava com 160 mil visualizações e quase 8 mil compartilhamentos, gerando muita revolta.

A Polícia Civil notificou o proprietário e demais funcionários do pet shop a comparecer à DMA nesta sexta-feira (23). Eles assinarão um termo circunstanciado - registro utilizado para infrações de menor potencial ofensivo, com pena máxima de dois anos de reclusão ou multa – e podem responder pelo crime de maus tratos a animais.

Defesa
O advogado Mauricio Tsakiris Maia, que defende o pet shop, afirma que as imagens foram obtidas de forma ilegal e montadas. “Isso foi feito de maneira tendenciosa para parecer que se trata de uma pessoa violenta”, argumenta o advogado.

Segundo Maia, o homem que aparece nas imagens trabalha na área há 16 anos, com prêmios nacionais e internacionais. “Ele sempre desempenhou suas atividades com muito amor e profissionalismo, por isso está no ramo há tanto tempo”, afirma.

O defensor afirma que, desde que os vídeos foram divulgados, o rapaz flagrado nas imagens vem sofrendo ameaças. O advogado garante que o proprietário do estabelecimento se apresentará à DMA de maneira voluntária para esclarecer os fatos à polícia.

FONTE: gazetadopovo

2/03/2018

Convivência entre cães e passageiros vira dor de cabeça nos terminais de Curitiba

Apesar de achar muito bom a convivência entre humanos e animais, eu não os deixaria a mercê de possíveis maus-tratos.... Sou muito galinha e quero todos debaixo das minhas asas....
------
Segundo a prefeitura, não há a planos para retirar os animais dos terminais de ônibus
O grande número de cães abandonados vivendo nos terminais de ônibus em Curitiba é um problema antigo e a prefeitura ainda não possui um projeto definitivo para solucionar a questão.

Em maio de 2017, protetores de animais chegaram a improvisar casinhas feitas de pneus na tentativa de ajudar os animais e há usuários que doam ração e remédios para mantê-los saudáveis. No entanto, nem todo mundo tem essa mesma visão pacífica de coexistência e a relação entre cães e passageiros do transporte público se torna cada vez menos tranquila na capital.

Na semana passada, um cobrador de ônibus foi atacado enquanto fazia seu turno no Terminal do Bairro Alto. “Eu me aproximei da banca para pegar um jornal por volta das 15h30 quando dois cachorros avançaram e me morderam”, conta Gilmar Grabowski. Diabético, ele conta que as mordidas fizeram com que ele tivesse de ser levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Boa Vista para receber acompanhamento médico.“Tenho varizes, e eles morderam em cima de uma delas. Saiu bastante sangue e precisei passar o resto da tarde e boa parte da noite no médico” .

E não é difícil encontrar quem tenha testemunhado casos assim. O porteiro Altivir Alves, de 54 anos, relembra de um episódio em que uma senhora de 75 anos foi atacada próximo ao Terminal Vila Oficinas, no bairro Cajuru, no último mês de novembro. “Ele avançou contra uma senhora que tinha descido do ônibus e estava atravessando a rua. Nós tivemos que socorrer a mulher”, afirma. “A perna dela abriu com o ataque. Nós chamamos o Siate e ela foi socorrida”, relatou Marlene Célia Javorski, de 53 anos, filha da vítima.

Ainda assim, Marlene diz que a presença dos animais próximo à área de embarque e desembarque de passageiros não é o problemas e que, inclusive, ela faz parte do grupo que alimenta os cães que ficam por ali. “Foi horrível o que aconteceu com ela, mas não colocamos a culpa no cachorro. Inclusive, minha família alimenta esses animais e minha irmã já adotou quase dez deles”.

Contudo, não é todo mundo que pensa assim e muitos usuários do sistema de transporte se sentem incomodados e até mesmo intimidados com os cachorros que rondam os terminais. Na tarde da última sexta-feira (19), várias pessoas também ficaram receosas ao entrar no Terminal Vila Oficinas, onde dois cães de grande porte dormiam ao lado das catracas principais. Em apenas dez minutos observando o local, a reportagem da Gazeta do Povo viu três pessoas se preocuparem. Na primeira situação, uma idosa deu a volta só para não passar perto dos animais. Ela saiu brava do local e não quis conversar com a reportagem. Logo depois, uma garota de cinco anos se escondeu atrás da mãe ao ver o porte dos cães. “Ela ficou com medo porque são cachorros bem grandes. Eu sei que eles não têm culpa de terem sido abandonados, mas, com certeza, aqui não é o lugar certo para eles ficarem”, pontuou a mãe Sandra Ribeiro, 24.

Ataques de humanos
No entanto, nem sempre a convivência turbulenta parte dos cães. No Terminal do Capão da Imbuia, por exemplo, o vigilante Wagner de Freitas Pereira, 37, afirma que é comum ver pessoas jogarem líquidos e baterem nos animais. “Tem uma senhora que passa aqui direto e vira um copo de água em cima deles. Também tem gente que chuta. Pra que fazer isso?”, questiona. Diante dos maus-tratos, os animais revidam as agressões com muitos latidos. “Ninguém gostaria de ser tratado assim. Eles também não”, afirma.

Segundo Pereira, os animais também correm atrás dos ciclistas que passam pelo terminal. “Não pode andar de bicicleta aqui, mas as pessoas insistem. Aí os cães veem as rodas da bike e vão atrás, igual fazem com os carros”. A situação também acontece no Terminal do Centenário, onde os cães já alcançaram alguns ciclistas. “Teve casos em que o cachorro chegou a pegar na perna deles. Mas nunca aconteceu nada grave. Só o susto”, relatou o vigilante Ricardo Gonçalves, que trabalhou no terminal até dezembro de 2017.

Sem solução
Para a zeladora Marisol Duarte da Silva, 48, que passa diariamente pelos terminais Vila Oficinas e Centenário, a solução para o problema começa com campanhas de conscientização contra abandono de animais. “As pessoas não podem largar o bichinho assim”, diz. Para ela e outros passageiros e moradores da região, o poder público deveria encontrar um local adequado para receber os animais.

Só que, de acordo com a prefeitura de Curitiba, não há planos para fazer a retirada desses animais dos terminais. De acordo com a chefe da Rede de Proteção Animal, Viven Morikawa, são 78 animais espalhados nos 18 terminais da cidades e que todos eles são vacinados contra a raiva, são desvermifugados e microchipados e a maioria já está castrada. Ainda assim, ela diz que fazer essa retirada dos animais é considerada infrutífera. “Nós não vamos retirar porque o que acontece é que, se você tira um animal hoje, amanhã tem outro no local. O terminal é um nicho propício para a reposição, pois eles têm abrigo e alimento”, explica.

No caso, os únicos animais que são retirados são aqueles considerados agressivos. “A gente tem parceria com mantenedores que ficam de olho nesses cães comunitários e nos informam caso tenham alguma mudança de comportamento. Quando isso acontece, vamos lá fazer a remoção”, diz.

Para tentar amenizar a situação, a Rede de Proteção Animal deve iniciar uma campanha de adoção desses animais. “Não tem como a gente simplesmente tirar do terminal, então temos que promover uma campanha de adoção que priorize esses cães comunitários”, antecipa Vivien. Segundo ela, a campanha deve começar ainda neste primeiro semestre. E, enquanto ela não começa, os interessados em levar um dos cachorros de terminais para casa deve procurar os mantenedores responsáveis ou ligar para os telefones 3350-9939 e 3350-8903.

FONTE: gazetadopovo

12/27/2017

“Cãodomínio” é incendiado na noite de Natal em Curitiba

Mais um caso comprovando que estou certa quando considero um perigo para os animais este negócio de fazer casinhas em áreas públicas. Humanos não são iguais..... tem a turma do "coisa ruim" que não perde a oportunidade de fazer o mau....Inclusive tem aqueles que além de destruir as casinhas, envenenam os animais que usam elas.... Presta atenção gente!!!!!
---------

Uma das unidades do chamado “cãodomínio”, abrigo construído por voluntários para cães de rua na região do Alto Boqueirão, foi incendiado na madrugada de segunda-feira (25) para terça (26). A estrutura de madeira e telhas ficou totalmente destruída, deixando os animais desabrigados e sem o teto que lhes dava conforto e proteção da chuva.

“Raiva, ódio, tristeza. Como pode alguém em pleno Natal queimar o cãodominio desses anjos?”, questionou Karina Klock, de 36 anos, assistente social, em seu perfil no Facebook. “Eles não possuem um lar, uma família, nada. Ali eles tinham amor, cuidados, abrigo e de uma hora pra outra o fogo destruiu tudo”, acrescentou.

Quem cuida da unidade do Alto Boqueirão é a bancária Danielle Fernandes, de 32 anos. “No sábado limpei todo o lugar, peguei as cobertas para lavar, troquei a água e coloquei a ração, como sempre faço. Ontem, quando cheguei, me deparei com essa cena horrível. Tudo queimado. Sentei e chorei”, lamentou.


O ataque desta madrugada foi o segundo no prazo de um mês. A unidade do Pinheirinho teve as telhas quebradas, também durante uma madrugada. “A vereadora Fabiane Rosa nos ajudou e conseguimos consertar rapidamente”, contou Karina, a idealizadora do primeiro cãodomínio da cidade, no Boqueirão.

Inconformados com o vandalismo, voluntários já estão mobilizados para reconstruir a nova casinha. Quem quiser ajudar pode doar qualquer quantia em dinheiro direto na conta-corrente do grupo. Parte dos materiais já foi conseguida. Agora os voluntários precisam de mão-de-obra e alguém para transportar o que já foi doado até o local.

Atualmente são três estruturas semelhantes a esta do Alto Boqueirão que foi destruída (uma no Boqueirão e outra no Pinheirinho). Caso seja arrecadado mais dinheiro do que o necessário, outras estruturas poderão ser construídas.

Quer doar?
Os voluntários pedem a ajuda de alguém que possa construir a casa e transportar os materiais da loja da pessoa que fez a doação até o local. A estrutura é pesada justamente para não roubarem. Além disso, quem quiser pode doar dinheiro diretamente para as organizadoras da “vaquinha” que vai arrecadar fundos para pagar esta mão de obra.

Thais Tramontin Martins
CPF – 062.060.739-47.
Bando Santader.
Agência 3889
Conta 01046629-4
Telefone para contato – 99686-5132 (Karina)

12/26/2017

Curitiba vai oferecer atendimento de alta complexidade a animais resgatados

Estou registrando porque acho que a galera de Curitiba trabalha muito pelos animais. Mas, é preciso que o fato de estar iniciando todo o processo (edital) não crie grandes expectativas. Todos tem que ficar em cima para não esmorecer, entendem né mesmo?
---------
A partir do ano que vem, o Centro de Referência para Animais em Risco (Crar) de Curitiba, na CIC, vai ampliar o seu atendimento, passando a oferecer serviços de alta e média complexidade aos animais resgatados. A ideia é aumentar a gama de serviços oferecidos a cães e gatos resgatados pelo centro.

No entanto, segundo a prefeitura, ainda não está definido quando a novidade passa a valer. Até o momento, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente apenas abriu um edital para a escolha da empresa responsável pelos atendimentos. Entre os serviços exigidos estão cirurgias abdominais e cesarianas, além de intervenções mais complexas, como as ortopédicas e de toracotomia.

Os procedimentos serão oferecidos para os animais recuperados pelo Crar. Todos os cães e gatos recolhidos pelo centro são castrados, vacinados, desverminados e microchipados. Em casos mais severos, eles passam por algum tipo de intervenção cirúrgica antes de serem colocados para doação.

FONTE: gazetadopovo

12/11/2017

Furões, animais de estimação comuns nos Estados Unidos, chegam a Curitiba

Falar em furão, é me lembrar da saudosa Marli Delucca que nos deixou sem autorização. Nos conhecemos com ela me cobrando que nunca falava dos furões no nosso blog.... Saudades da intrépida Delucca...
-------
Quando pensamos em animais de estimação, logo lembramos de cães e gatos. Entretanto, existem outras espécies capazes de encantar e serem grandes companheiros dos humanos.

É o caso dos furões, pequenos mamíferos conhecidos por serem brincalhões e divertidos, e que já podem ser encontrados em Curitiba, no HiperZoo, mega pet center localizado no bairro Parolin. “Desde a abertura da nossa loja tínhamos procura pelos ferrets. E, com o sucesso dos nossos encontros de animais silvestres e exóticos, e a disponibilidade de uma consultora técnica para orientar os interessados, essa busca só aumentou”, revela Patrícia Maeoka, sócia-proprietária do HiperZoo.

Ao contrário do que muitos imaginam, os furões não são roedores. Eles pertencem à família dos mustelídeos, também composta por texugos, lontras e doninhas. A espécie mais conhecida é o Mustela putorius furo, ou furão-doméstico, que existe, pelo menos, desde 1.500 a.C.

Curiosos, exploradores e cheios de energia, esses pequenos companheiros encantam por suas habilidades: alguns aprendem a abrir portas, caixas e até zíperes de malas e bolsas. Para ocupar essa mente exploradora, é importante oferecer a eles muita diversão, como brinquedos produzidos para gatos, labirintos, pilhas para escalar e caixas. Mas a bióloga, consultora técnica do HiperZoo, Maria Angélica Vieira, faz um alerta: “quem quiser ter um furão deve ter bastante tempo disponível para ficar com ele”.

Quando supervisionados, os furões podem brincar pela casa. Entretanto, quando estiverem sozinhos, uma dica importante é deixá-los em uma gaiola, já que eles são capazes de se esconder nos buracos mais inusitados e, até mesmo, mexer em fios e tomadas. O fato de serem animais noturnos auxilia nessa rotina, já que eles costumam dormir e relaxar durante o dia.

Assim como cães e gatos, os furões aprendem a atender quando chamados pelo nome e a passear usando peitoral, desde que acostumados aos poucos. Podem, até mesmo, aprender alguns truques e vale usar petiscos como recompensa para ensiná-los.

Saúde e cuidados
Os furões machos podem chegar a medir 40 cm e pesar entre 1 e 3 Kg. Já as fêmeas podem medir até 35 cm e pesar entre 500 g e 1 kg. A expectativa de vida é de 5 a 8 anos, podendo chegar a 12 com os cuidados ideais.

A higiene é o fator primordial para a saúde desses pequenos mustelídeos: seu ambiente precisa ser higienizado todos os dias, evitando proliferação de insetos em seus dejetos. Caso o tutor opte por utilizar uma caixa para as necessidades de seu pet, deve optar pelo granulado de madeira, já que as areias comuns fazem mal aos furões.

Os banhos devem ser mensais, com shampoo neutro próprio para furões ou shampoo neutro de cães. Mesmo assim, é importante o tutor saber que uma característica do animal é o odor forte de seus pelos. Já o corte de unhas deve ser feito a cada dois meses e a escovação dos pelos, semanalmente, com escova própria.

Outro alerta importante é sobre a vacinação, que deve ser realizada contra raiva e cinomose, utilizando vacinas indicadas por veterinários especialistas em animais exóticos e silvestres. “O cuidado com passeios e contato com outros animais é muito importante, pois os furões correm um grande risco de contrair cinomose, chegando a ser 300 vezes superior ao de um cão”, enfatiza Maria Angélica. Os vermífugos e o antipulgas também devem fazer parte da rotina, com aplicação a cada seis meses.

A alimentação deve ser rica em proteínas, aminoácidos, lipídios, carboidratos e fibras. Já existe no mercado uma ração específica para a espécie e que supre todas suas necessidades. Além da ração, é possível oferecer guloseimas como banana, uva passas, mas em pequenas quantidades. Já os alimentos para humanos, como doces ou chocolates, nunca devem ser disponibilizados, uma vez que podem intoxicar o animal.

Antes de optar por um desses mustelídeos, é importante que o futuro tutor verifique se o animal está microchipado, castrado, sem a glândula de cheiro e registrado no sistema do órgão público competente. Sua comercialização só pode ser realizada mediante nota fiscal e certificado de origem, o que aumenta a possibilidade de uma compra responsável. Assim, quando alguém escolhe um furão para chamar de seu, certamente será retribuído com muito amor e momentos de pura diversão.

Serviço
HiperZoo
Rua Desembargador Westphalen, 3.448 – Curitiba/PR
Telefone: (41) 3051-7777
Site: www.hiperzoo.com.br

FONTE: paranashop

11/01/2017

Médico é acusado de matar cadela a tiro na região metropolitana de Curitiba - PR

É um psicopata armado.... Se existe uma culpa aí se chama Prefeitura de Pinhais que não recolheu os animais como foi pedido pelos protetores de animais locais...
--------------

Cardiologista investigado pela Polícia Civil afirma que foi atacado pelo animal

A Delegacia de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, investiga o caso em que um médico teria matado a tiros uma cadela em uma estrada rural da cidade na última segunda-feira (30). O médico, um cardiologista, está sendo investigado por crime ambiental e também por porte ilegal de arma, uma pistola 380, da qual ele tem o registro. Ainda segundo a polícia, o médico procurou espontaneamente a delegacia para relatar o crime e está colaborando com as investigações.

Conhecida como Gracy, a cadela foi morta na manhã de segunda na Estrada Ecológica, uma via rural em Pinhais. Ela pertencia a um grupo de cinco cachorros – duas fêmeas e três machos – que foram abandonados na estrada e que são alimentados há cerca de cinco anos por várias pessoas da região, incluindo protetores de animais.

Gracy, realmente tem uma "cara muito feroz.... "

A professora Patrícia Almeida Satyro, 46 anos, era uma das duas pessoas que alimentavam os animais no momento em que o disparo foi feito. Segundo ela, a cadela foi morta em um ataque de raiva do médico, que, pouco antes, havia passado pelo local, baixado o vidro do carro e argumentado que as mulheres estavam cometendo um crime por alimentar os bichos.

Da primeira vez que passou pela dupla, o homem teria se identificado como médico e também teria fotografado as voluntárias e as placas de seus carros. “De longe, ele começou a gritar, a gesticular com violência e a dizer ‘vocês estão cometendo um crime e eu vou resolver isso’. Quando subi para falar com ele, os cachorros começaram a latir porque perceberam que a protetora deles estava em perigo. Aí eles levaram chutes dele. No primeiro chute, um cachorro pegou a calça dele e rasgou. Ele voltou para o carro e uns 15 minutos depois voltou com a arma em punho”, relata.

Já o advogado Ari Ferreira Fontana, que defende o médico, afirmou que um único tiro foi dado contra o animal após o cliente ser atacado. “Meu cliente oi atacado de forma brutal pelos animais de rua que são alimentados na frente do portão de sua casa”, afirma o advogado.

Segundo Fontana, no momento do ataque, os cães o morderam diversas vezes na panturrilha e no braço. “Suas roupas ficaram totalmente rasgadas, houve bastante sangramento e ele precisou de atendimento. Por sorte, os cães não conseguiram derrubá-lo, porque teria sido ainda pior, pois são cachorros de grande porte”, afirma.

Tiros e alimentação dos cães
Ao ver a arma, a professora relata que pediu para que o médico não atirasse. “Ele falou ‘olha como vou resolver’. Gritei para ele parar. Aí ele deu um tiro na Gracy, que estava parada do meu lado. Foi quando, no desespero, entrei na frente dele, de braços abertos. Ele balançava a arma na minha direção e começou a dizer que ia voltar e matar todos eles”.

Ainda conforme Patrícia, ela e a colega estavam justamente tentando esconder os cachorros quando tudo aconteceu porque previam que os animais corressem perigo. Segundo ela, o problema começou há cerca de 15 dias, quando uma mulher que catava pinhão na estrada tentou afastar bruscamente um dos cachorros e foi mordida.

A professora, que viu a cena, a socorreu e se ofereceu para levá-la a uma unidade de saúde. A vítima teria se recusado, mas no último sábado (28) fez um post no Facebook alertando sobre o perigo dos cachorros abandonados na estrada. “Esse post gerou inúmeros comentários raivosos, incitando a violência. Daí a gente foi lá. Os cachorros não são violentos. Tanto que, quando eles avançaram no médico, só com uma mão eu os afastei”. A professora já prestou depoimento na Delegacia de Pinhais.

Sobre o ocorrido, o advogado também afirmou que o médico sempre pede aos protetores para não alimentar os cães abandonados pelo perigo à saúde que eles representariam e que, na segunda-feira, ao ver um grupo dando comida aos bichos, tentou conversar e teria sido atacado. “Ele tem uma criança pequena e essa criança não pode passear de carrinho com a mãe porque os cães os colocam em risco. Já teve motociclista, ciclista e outras pessoas que foram atacadas ali. É algo frequente e existe até uma placa colocada pela prefeitura no local pedindo para ninguém alimentar os cães ”, diz o defensor. A protetora disse que os animais nunca foram alimentados em frente ao endereço citado por ele.

Depósito de animais rejeitados
De acordo com Patrícia, os demais cães que estavam na Estrada Ecológica estão escondidos temporariamente. Ela relatou ainda que a via rural se transformou em depósito de animais rejeitados e que voluntários e ONGs já chegaram a pedir ajuda da prefeitura de Pinhais para o resgate, mas nunca foram atendidos.

A prefeitura responde que por causa de toda questão de guarda responsável, não possui o serviço de recolhimento de animais, mas ressaltou que, em caso de animais agressivos, se denunciados, o Centro de Controle de Zoonoses é acionado, avalia a situação e pode recolher o animal.

Em Pinhas, existe uma lei que regulamenta os cães comunitários. A lei permite adoção por algumas pessoas que têm a responsabilidade de cuidar de um ou mais animais, sem necessariamente levá-los para casa.

“Essas pessoas precisam oferecer todas as condições para que os animais tenham uma vida saudável, estabelecendo assim com a população um vínculo de dependência e manutenção. A Seção de Defesa e Proteção Animal de Pinhais possui o Programa Cão Comunitário, e os cães participantes deste programa são castrados, vacinados, desverminados e recebem todo o aporte clínico que necessitarem”, explicou a prefeitura, em nota.

Ainda segundo a administração pública da cidade, existe um programa gratuito de castração de cães e gatos para moradores com renda familiar de até três salários mínimos. Uma vez ao mês, o município realiza um evento de adoção,em que os proprietários levam seus animais e os disponibilizam para adoção. Se não forem adotados, os cães e gatos voltam para seus lares com seus tutores . 

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪