RECEBA NOSSOS BOLETINS DIÁRIOS

12/21/2018

Infiltrado em grupos de WhatsApp, ambientalista denuncia caça ilegal no Rio Grande do Sul

Eu também tenho uma pessoa com trânsito neste segmento que, volta e meia, manda notícias pra mim. O Fantástico informou errado. A caça de javali foi liberada em 2005 para todos os lugares que tivessem javalis. Em princípio o problema era só no RS. Só que estes psicopatas começaram a introduzir os javalis em SC, SP e PR para caça. Isto foi até 2010, quando meus
leitores e eu conseguimos suspender a caça em todo território brasileiro porque provei que havia venda geral de safáris de caça prometendo liberar qualquer bicho. 

Ficou suspensa até 2013 quando estes caçadores do demônio conseguiram liberar novamente a caça ao javali alegando problemas na agricultura. Daí, conseguiram introduzir javalis nas regiões centro-oeste e até no nordeste com objetivo de venda de caça. Como fiquei seriamente doente em 2012, não pude mais meter bronca. 

Existem fazendas de caça atuando livremente bem como um mercado de armas e munições ilegais a disposição de mais de 50 mil caçadores que recomendam aos companheiros não matar os filhotes porque é mais um animal no futuro..... Triste, não?
---------------------
"Tem muito caçador legalizado para caça do javali que, na verdade, não caça javali. Eles caçam a fauna silvestre e ainda exibem como se fosse uma brincadeira, uma diversão matar os animais", denuncia o ambientalista.

A legalização do abate do javali, que dá direito ao transporte de armas de caça, passou a valer em 2013 em todo país, mas no Rio Grande do Sul a caça do animal é autorizada desde 2005. Nos grupos, os participantes enviam fotos e vídeos das documentações e até dão dicas de como se deve encaminhar a solicitação do registo no Exército e no Ibama.


De acordo com o Ibama, no Brasil são 32,1 mil caçadores registrados. O número, porém, não bate com o informado pelo Exército, que chega a quase 70 mil. O estado com maior número de caçadores é o Rio Grande do Sul. Para conseguir a documentação, é preciso fazer um teste de tiro e passar por um exame psicológico.

O coordenador de biodiversidade do Ibama, João Pessoa Moreira Junior, acredita que os crimes ambientais sejam cometidos por uma minoria. "Não é porque hoje o manejo do javali está autorizado que a caça ilegal está acontecendo, ela sempre aconteceu", afirma.

No Rio Grande do Sul, o Ibama conta com 100 servidores, número que, de acordo com o próprio coordenador de biodiversidade do órgão, é insuficiente para dar conta da fiscalização. Além da caça ilegal, os grupos também eram usados para compra e venda de munição contrabandeada do Uruguai. Armas também eram negociadas informalmente.

Os vídeos compartilhados nos grupos e as gravações feitas pelo ambientalista infiltrado foram entregues ao Ministério Público do RS, que abriu investigação. Nenhum promotor foi indicado pela assessoria de imprensa para dar entrevista sobre o caso. "Meu objetivo é que as autoridades tomem alguma providência", disse o infiltrado.

Fonte: G1 - RBSTV

Um comentário:

  1. Os ambientalistas tem muito trabalho pela frente para mostrar a cara desses psicopatas ao mundo. Não será nada fácil, ainda mais com um presidente que apoia esse tipo de crime. Será necessário muito barulho, mas muito barulho mesmo para nos fazer ouvir. O barulho dos ativistas mais experientes somado ao da força dos ativistas mais jovens.

    ResponderExcluir

EM DESTAQUE


Licença Creative Commons

"O GRITO DO BICHO"

é licenciado sob uma Licença

Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas

 

SAIBA MAIS


Copyright 2007 © Fala Bicho

▪ All rights reserved ▪